A INFLUÊNCIA DE FATORES SOCIAIS NA LINGUAGEM DE ADOLESCENTES PRIVADOS DE LIBERDADE

Rodrigo Mazer Etto, Valeska Gracioso Carlos

Resumo


Este trabalho investigou a linguagem utilizada por adolescentes internos do Centro de Socioeducação de Ponta Grossa e teve por objetivos verificar a influência dos fatores sociais ‘nível de escolaridade’, ‘convívio’ e ‘tempo de internação’ do falante no uso de uma variedade linguística caracterizada pela presença de palavras com sentido figurado, e identificar a possível dicionarização dos termos coletados, comparando o significado contido no dicionário com o sentido dado aos termos pelos entrevistados. Esta pesquisa realizou-se através da aplicação de entrevistas semiestruturadas a oito adolescentes internos do CENSE de Ponta Grossa. A análise dos fatores sociais possibilitou constatar que a variável ‘tempo de internação superior a seis meses’ foi a que apresentou maior uso da variedade linguística em estudo, seguida das variáveis ‘nível de escolarização superior ao sexto ano do E. F.’, ‘possibilidade de convívio’, ‘tempo de internação de até seis meses’, ‘nível de escolarização de até o sexto ano do E. F.’ e ‘não possibilidade de convívio’. Dos 260 termos obtidos na etapa de coleta de dados,156 não constam no referido dicionário; 64 constam no dicionário com sentido diverso do utilizado pelos informantes e 40 estão dicionarizados com o mesmo sentido. As investigações entre tal linguagem e fatores extralinguísticos podem contribuir para a compreensão do universo vocabular desses adolescentes e para os estudos sociolinguísticos, no sentido de possibilitar a criação de ferramentas pedagógicas que auxiliem tanto o processo de ensino-aprendizagem escolar dos adolescentes em conflito, quanto a desconstrução do preconceito linguístico, que reforça a marginalização desses adolescentes.

Texto completo:

PDF

Referências


BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. Tradução de Michel Lahud e Frateschi Vieira. 12ª edição. São Paulo: Hucitec, 2006.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.

_______. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias - INFOPEN. Dezembro, 2017. Disponível em https://www.poder360.com.br/wp-content/uploads/2017/12/relatorio_2016_Junho.pdf. Acesso em 19 de janeiro de 2017.

_______. Presidência da República. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH). Levantamento Anual SINASE 2014. Brasília: 2015a.

_______. Ministério da Justiça. Conselho Nacional de Justiça. Cadastro Nacional de Adolescentes em Conflito. Brasília, 2016.

COELHO, Lidiane. Pereira; MESQUITA, Diana Pereira Coelho de. Língua, cultura e identidade: conceitos intrínsecos e interdependentes. EntreLetras, v. 4, n. 1, 2013.

COSERIU, Eugenio. Teoria da linguagem e lingüística geral. 2ª edição. Rio de Janeiro: Presença, 1987.

DA SILVA, Enid Rocha Andrade; DE OLIVEIRA, Raíssa Menezes. Nota Técnica nº 20. O adolescente em Conflito com a Lei e o Debate sobre a Redução da Maioridade Penal: esclarecimentos necessários. 43 p., 2015. Disponível em http://www.maioridadepenal.org.br/arquivos/Nota%20t%C3%A9cnica%20-%20O%20Adolescente%20em%20Conflito%20com%20a%20Lei%20e%20o%20Debate%20sobre%20a%20Redu%C3%A7%C3%A3o%20da%20Maioridade%20Penal.pdf. Acesso em 01 de janeiro de 2018.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Unesp, 2005.

ECKERT, Penelope. Linguistic variation as social practice. Malden/Oxford: Blackwell, 2000.

EVANS, Betsy. The role of social network in the acquisition of local dialect norms by Appalachian migrants in Ypsilanti, Michigan. Language Variation and Change, Cambridge, V. 16, p.153-167, julho 2004.

FARACO, Carlos Alberto. A Linguagem e o Homem. In: Linguagem e sociedade. FARACO, C. A & FLORIANE, D. (org.). Curitiba. SECE/Biblioteca Pública do PR, 1985.

_____________. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

FLICK, Uwe. Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. Tradução Magda Lopes. Porto Alegre: Penso, 2013.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss Conciso. São Paulo: Moderna, 2011.

JOHNSTONE, Barbara. Qualitative methods in sociolinguistics. New York: Oxford University Press, 2000.

LABOV, William. Principles of linguistic change – social factors. Oxford: Blackwell, [1972] 2001.

_______________. Padrões sociolinguísticos. Tradução Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre e Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, [1972] 2008, 391p.

_______________. Principles of linguistic change: cognitive and cultural factors. Malden/Oxford/Sussex: Wiley-Blackwell, 2010.

LOPES, Adriana Carvalho. Narrativas das adolescentes em conflito com a Lei. 2003. 199 f. Dissertação (Mestrado em Linguística, Línguas Clássicas e Vernáculas) – Universidade de Brasília, Brasília.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MILROY, Lesley. Language and social networks. Oxford: Blackwell, 1980.

NARO, Anthony Julius. Idade. In: MOLLICA, Maria Cecília; BRAGA, Maria Luiza (Orgs.). Introdução à sociolinguística - o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2004.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado de Letras, 1997.

PRETI, Dino. A gíria e outros termos. São Paulo: T.A. Queiroz Edusp,1984.

REMENCHE, Maria de Lourdes Rossi. As criações metafóricas na gíria do sistema penitenciário do Paraná. 2003. 107 f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

SAPIR, Edward. A linguagem: introdução ao estudo da fala. 2ª edição. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, [1921] 1971.

_____________. Linguística como ciência: uma introdução. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1987 [1947].

TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolinguística. São Paulo: Ática, 2003.

VOTRE, Sebastião Josué. Relevância da variável escolaridade. In: MOLLICA, Maria Cecília; BRAGA, Maria Luiza (Orgs.). Introdução à Sociolinguística: o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2004, p. 51-57.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Parábola, [1968] 2006.




DOI: https://doi.org/10.15210/norus.v6i9.13684

Direitos autorais 2018 Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2318-1966 

Indexadores nacionais: Sumários.orgDiadorimGoogle Scholar

Indexadores internacionais: Bibliothek Universitat Hamburg;Citeulike; DOAJLatindex; Mendeley; REDIB; Research Gate; ROAD; WorldCat

 

Apoio: