A INSTITUCIONALIZAÇÃO DOS ESTUDOS DE MULHERES, GÊNERO E FEMINISMO EM TEMPOS DE DITADURA MILITAR

Gabriela de Brito Caruso

Resumo


Este artigo trata da institucionalização dos Estudos de Mulheres, Gênero e Feminismo nas Ciências Sociais brasileiras no contexto da ditadura militar (1964-1985). O objetivo é discutir a construção da área de estudos a partir das disputas e estratégias intelectuais para legitimação de seu status epistêmicos em um contexto político autoritário. Para tal, selecionamos e analisamos algumas das principais produções acadêmicas que fazem uma revisão do processo histórico, observando como a área organiza as narrativas que produz sobre si mesma. A partir destas narrativas, elencamos os principais condicionantes que influenciaram o modo como a área se desenvolveu no Brasil, majoritariamente como uma subárea do conhecimento atrelada a disciplinas mais tradicionais. Destaca-se o vazio político resultante da repressão, a reforma universitária do período militar e as alianças pela democracia como pano de fundo para uma estratégia que se utiliza das credenciais científicas das Ciências Sociais na legitimação dos Estudos de Mulheres, Gênero e Feminismo no meio acadêmico.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Miriam Fábia, & OLIVEIRA, João Ferreira de.Pós-Graduação no Brasil: do Regime Militar aos dias atuais [Online].Rbpae, Vol.30, N.2, 2014.Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/viewFile/53680/33095Acesso em: 24/04/2019.

ALVAREZ, Sonia E. Engendering democracy in Brazil: women's movements in transition politics, 1990

BARAZZATTI, Donatella; LEONE, Mariagrazi. The Institutionalisation of Women‟s Studies Training in Europe. Report 2 project Employment and Women‘s Studies: The Impact of Women‘s Studies Training on Women‘s Employment in Europe, 2003. Disponivel em: http://www.hull.ac.uk/ewsi/. Acesso: 26/04/2019

BLAY, Eva Alterman. Trabalho domesticado: a mulher na indústria paulista. [S.l: s.n.], 1978.

BLAY, E.A., CONCEIÇÃO, R. R. A mulher como tema nas disciplinas da USP. Cad. Pesq, 1991

CHEN, Peiying. Acting “Otherwise”: the Institutionalization of Women's/Gender Studies in Taiwan Universities. London: Routledge Falmer. 2004.

CORRÊA, Mariza. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, (16), 13–30, 2001. Disponível em:

COSTA, Albertina de Oliveira; BARROSO, Carmem & SARTI, Cynthia. A pesquisa sobre mulher no Brasil: do limbo ao gueto? Cadernos de Pesquisa, 1985.

COSTA, Albertina de Oliveira. É viável o feminismo nos trópicos? Resíduos de insatisfação. Cadernos Pagu, 66, 63–69, 1988.

COSTA, Albertina de Oliveira. OS ESTUDOS DA MULHER NO BRASIL OU A ESTRATÉGIA DA CORDA BAMBA. Estudos Feministas, 2(N.E), 93–100, 1994.

FARGE, Arlette. Mouvements d’Histoire (à propôs d’um coloque surl’histoiredesfemmes). Bulletindu CRIF. Paris, (3):3-8, 1983.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Mulher brasileira: bibliografia anotada. São Paulo: FCC; Brasiliense, 1979. 279p.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Mulher brasileira: bibliografia anotada - 2. São Paulo: FCC; Brasiliense, 1981.

Pagu, 1997.

GOLDBERG, Anette. Le dire et le faire feministes: une approch e socioculturelle du Brésil Contemporain. Tese (Doutorado em História e Civilização) — Universidade de Paris VII. p.228-9, 1991.

GÓNGORA, Jimena Gallardo. Contradictions in the Institutionalisation Process of Women's and Gender Studies in Chile‖ in R. Braidotti, J. Nieboer and S. Hirs (eds.), The Making of European Women's Studies (Vol. IV). Utrecht: ATHENA/Universiteit Utrecht, 2002.

GROSSI, Miriam Pillar. (2004). A Revista Estudos Feministas faz 10 anos: uma breve história do feminismo no Brasil. Revista Estudos Feministas, 12(spe), 211–221. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2004000300023

HEILBORN, Maria. Luiza; SORJ, Bila. Estudos de gênero no Brasil, em MICELI, Sergio. (org.) O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). Sociologia (volume II), São Paulo, Editora Sumaré/ANPOCS, Brasília, Capes, 1999.

LOPES, Maria Margaret. & PISCITELLI, Adriana. REVISTAS CIENTÍFICAS E A CONSTITUIÇÃO DO CAMPO DE ESTUDOS DE GÈNERO: UM OLHAR DESDE AS “MARGENS.” Estudos Feministas, Florianópolis, 12(NE). 2004. Disponível em:

MALUF, Sonia. OS DOSSIÊS DA REF : ALÉM DAS FRONTEIRAS ENTRE ACADEMIA E MILITÂNCIA. Estudos Feministas, 12(Especial), 235–243, 2004.

MORAES, Maria Lygia Quartim de. Vinte anos de feminismo. Campinas, Tesede Livre-docência, Departamento de Sociologia, IFCH/Unicamp, 1996.

MOHANTY, Chandra Talpade. Under Western Eyes: Feminist Scholarship and Colonial Discourses. Boundary 2 12(3):333–58, 1986.

PEDRO, Joana Maria. Narrativas fundadoras do feminismo: poderes e conflitos (1970-1978). Revista Brasileira de História, 26(52), 249–272, 2006. Disponível em:

PEREIRA, Maria do Mar. Pushing the Boundaries of Knowledge : An Ethnography of Negotiations of the Epistemic Status of Women’s , Gender , Feminist Studies in Portugal. Tese de Doutorado,London School of Economics and Political Science,December, 2010.

PINTO, Céli Regina Jardim “Movimentos sociais: espaços privilegiados da mulher enquanto sujeito político” In COSTA, Albertina e BRUSCHINI, Cristina (orgs.) Uma questão de gênero. Rio de Janeiro/São Paulo, Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas, 1992.

PINTO, Céli Regina Jardim.Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003, p.58.

PINTO, Céli Regina Jardim.O feminismo bem-comportado de HeleiethSaffioti (presença do marxismo). Revista Estudos Feministas, 22(1), 321–333, 2014. Disponível em:

PISCITELLI, Adriana. BELELI, Iara. & LOPES, Maria Margaret CADERNOS PAGU: CONTRIBUINDO PARA A CONSOLIDAÇÃO DE UM CAMPO DE ESTUDOS. Estudos Feministas, Florianópolis, 11(1), 242–246. 2003.

REZENDE, Claudinei Cássio de.Suicídiorevolucionário: a luta armada e a herança da quimérica revolução em etapas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. ISBN 9788579830822 Disponível em: .

SAFFIOTI, Heleieth. A Mulher na Sociedade de Classe: Mito e Realidade. Petrópolis: Vozes, 1976 [1969].

SARTI, Cynthia. Feminismo e contexto: lições do caso brasileiro. Cadernos Pagu, (16), 31–48. 2001. https://doi.org/10.1590/S0104-83332001000100003

SAVIANI, Demerval. O Legado Educacional do Regime Miliar. Caderno Cedes. Campinas, SP, vol, 28, n,76, set/dez, 2008.

SCHMINK, Marianne. Women in the Brazilian “abertura” politics. Signs. Vol. 7, No. , pp. 115-134, 1981.SCHUCK, Elena de Oliveira. Feminismos em movimento: mapeando a circulação do pensamento feminista entre Brasil e França. Tese, UFRGS, 175p. 2017. Disponível em:http://hdl.handle.net/10183/168982

SILIUS, Harriet. Comparative Summary in G. Griffin (ed.), Women's Employment, Women's Studies, and Equal Opportunities 1945 - 2001: Reports from Nine European Countries. Hull: University of Hull, 2002.

SILVA, Susana Veleda da. OS ESTUDOS DE GÊNERO NO BRASIL: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales.,262. 2000. Disponível em:




DOI: https://doi.org/10.15210/norus.v7i11.17054

Direitos autorais 2019 Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2318-1966 

Indexadores nacionais: Sumários.orgDiadorimGoogle Scholar

Indexadores internacionais: Bibliothek Universitat Hamburg;Citeulike; DOAJLatindex; Mendeley; REDIB; Research Gate; ROAD; WorldCat

 

Apoio: