A Lei Pelé, o fim do passe e a modernização conservadora do futebol-negócio no Brasil: uma análise das percepções dos jogadores

Francisco Xavier Freire Rodrigues

Resumo


Este artigo analisa a concepção dos jogadores sobre os impactos da Lei Pelé no mercado futebolístico nacional. Investiga o processo de modernização conservadora do futebol-negócio no Brasil. A percepção predominante dos atletas é de que a Lei Pelé modernizou somente alguns elementos do  futebol brasileiro. O fim do passe representou a passagem de um modelo tradicional de relações de trabalho para um modelo moderno e flexível, pois decretou a liberdade de trabalho para os jogadores e flexibilizou os contratos e relações de trabalho. A maioria dos jogadores considera que as principais intenções da Lei Pelé eram modernizar as relações entre clubes e jogadores. Os setores mais beneficiados pelo fim do passe, segundo a avaliação dos entrevistados, foram os jogadores, os empresários, o futebol como um todo e os clubes de futebol. O fim do passe tem influenciado no rejuvenescimento da força de trabalho no futebol brasileiro.

 

Palavras-chave: Lei Pelé; Modernização Conservadora; Futebol-Negócio; Fim do Passe.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15210/norus.v2i2.5774

Direitos autorais 2015 Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2318-1966 

Indexadores nacionais: Sumários.orgDiadorimGoogle Scholar

Indexadores internacionais: Bibliothek Universitat Hamburg;Citeulike; DOAJLatindex; Mendeley; REDIB; Research Gate; ROAD; WorldCat

 

Apoio: