Caracterização de biomassa visando a produção de etanol de segunda geração

Vitória Azevedo, Cláudia Fernanda Lemons e Silva, Juliana Silva Lemões, Sabrina Peres Faria

Resumo


 Devemos conhecer detalhadamente a biomassa a ser utilizada em um processo, pois são essas características que irão fornecer informações para determinar o método a ser utilizado. Nesse contexto, o presente estudo objetivou a caracterização das biomassas de arundo, palha e casca de arroz quanto ao teor de celulose, hemicelulose e lignina antes e após o pré-tratamento. A caracterização foi feita de acordo com a metodologia descrita por Dunning e Dallas (1949) e os cálculos a partir das equações descritas por Sluiter et al. (2005). Os valores encontrados para as biomassas in natura foram, arundo 32,3% celulose, 41,5% hemicelulose e 20,9% lignina, para casca de arroz 30,4, 31,2 e 21,2% e palha de arroz 36,9, 36,8 e 13,3% respectivamente. Já para as biomassas pré-tratadas, os teores encontrados de celulose, hemicelulose e lignina foram arundo 69,5, 15,5 e 10,2%, casca de arroz 62,4, 22,7 e 14,8% e palha de arroz 78,4, 16,1 e 5,3% respectivamente. Para as biomassas pré-tratadas a fração de celulose aumentou em relação as biomassas in natura e a de hemicelulose e lignina diminuíram. Isto indica uma grande solubilização da fração hemicelulósica e de lignina, o que é desejável, já que neste estudo o objetivo é a produção de etanol de segunda geração através da fração celulósica.


Palavras-chave


celulose; hemicelulose; lignina; pré-tratamento

Texto completo:

PDF PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/rbes.v2i2.8634