A busca pelo selo “universidade classe do mundo” e os rankings acadêmicos globais pioneiros

Rosilene Carla Vieira, Manolita Correia Lima

Resumo


Este estudo de abordagem qualitativa examina o papel forjado pelos rankings globais pioneiros – Academic Ranking of World Universities (ARWU) e Times Higher Education Quacquarelli Symonds World University Rankings – The Top 200 World Universities (THE-QS) – acerca da concessão do selo “classe do mundo ou mundial” à determinada universidade. Para tanto, faz-se uso da pesquisa bibliográfica associada à pesquisa documental voltado à área de Educação Internacional por meio de análise de conteúdo, objetivando responder o que a crescente utilização dos rankings globais revela efetivamente nessa busca pelo selo “universidade classe mundial”? As autoras se apoiam na teoria institucionalista para nortear a investigação proposta. Destaca-se que, no século XXI, a busca pelo selo “universidade classe mundial” por meio da presença nos rankings acadêmicos globais revela, como crescente mecanismo de gestão acadêmica, os métodos avaliatórios comparativos. Tal prática parece resultar em um processo de internacionalização vigente no meio acadêmico que se assemelha ao meio corporativo, voltado a questões econômicas. Ou seja, em meio a um ambiente competitivo o selo “classe do mundo ou mundial” contribui para legitimar a competitividade da universidade, favorecendo a captação de estudantes internacionais e mais qualificados, alocação de recursos internos ou externos, fundos para pesquisa, concessão de bolsas por parte do governo tanto no Brasil como no exterior, entre outras fatores determinantes.


Palavras-chave


Rankings Acadêmicos Globais. Internacionalização do Ensino Superior. Métodos Avaliatórios Comparativos

Texto completo:

PDF Português

Referências


BARDIN, Lawrence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BILLAUT, J.C.; BOUYSSOU, Denis; VINCKE, Philippe. Faut-il croire le classement de Shangai? Revue de la régulation (En ligne), n.8, 2010, 2o semester. Disponível em http.//regulation.revues.org/index9016.html DOI: en cours d’attribution. Acesso em abril de 2012.

CLARK, Burton R. The higher education system: academic organization in cross-national perspective. California: University of California Press, 1983.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação? Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, pp. 423-460, 2004, maio-agosto.

Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em março de 2013.

DE WITT, Hans (org.). Internationalisation of higher education, an introduction on the why, how and what. IN: An introduction to higher education internationalization. Centre for Higher Education Internationalisation (CHEI), Università Cattolica del Sacro Cuore, Milan, Italy, 2013.

DILL, D.; SOO, M. Academic quality, league tables, and public policy: A cross-national analysis of university ranking systems. Higher Education, 49: 495-533. 2005. DOI 10.1007/s10734-004-1746-8.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL,W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, Vol. 48,

pp.147-160, 1983, April.

DRÈZE, J.; DEBELLE, J. Conceptions de l’université. Paris: Éditions Universitaires, 1968.

GODOY, Arilda Schmidt. Estudo de caso qualitativo. IN: GODOI, Christiane Kleinubing; BANDEIRA-DE-MELLO, Rodrigo; BARBOSA DA SILVA, Anielson. Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006.

HARFI, M.; MATHIEU, C. Classement de Shangai et image internationales des universités: quels enjeux pour la France? Horizons stratégiques, no 2, pp.100-115, 2006.

HAZELKORN, Ellen. Rankings and The Reshaping of Higher Education: The battle for world-class excellence. Palgrave Macmillan, 2011.

HUDZIK, John K. Changing paradigm and practice for higher education internationalization. IN: DE WIT, Hans (org.). An introduction to higher education internationalization. Centre for Higher Education Internationalisation (CHEI), Università Cattolica del Sacro Cuore. Milan, Italy, 2013.

HUNTER, Fiona. Internationalization and institutional responsiveness: harnessing the power of imagination. IN: DE WIT, Hans (orgs). An introduction to higher education internationalization. Centre for Higher Education Internationalisation (CHEI), Università Cattolica del Sacro Cuore. Milan, Italy, 2013.

KOSTOVA, T.; ZAHEER, S. Organizational Legitmacy under conditions of complexity: the case of the multinational enterprise. Academy of Management Review. Vol. 24, No 1, pp. 64-81, 1999, janeiro.

LIMA, Manolita Correia; CONTEL, Fabio Betiolli. Internacionalização da Educação Superior: nações ativas, nações passivas e a geopolítica do conhecimento. São Paulo: Alameda, 2011.

LIMA, M. C. A ideia da universidade subjacente aos programas de avaliação. 249 F. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo – USP, São Paulo, 2002.

LIMA, Manolita Correia. Monografia: a engenharia da produção acadêmica. 2ª ed. rev. e atualizada, São Paulo: Saraiva, 2008.

MACHADO DA SILVA, C. L.; FONSECA, V. Competitividade organizacional: uma tentativa de reconstrução analítica. Organizações & Sociedade, pp. 937 -114, 1996, dezembro.

MACHADO DA SILVA, C. L.; FONSECA, V. Conversação entre abordagens da estratégica em organizações: escolha estratégica, cognição e instituição. Organizações & Sociedade, v.9, n. 25, pp. 93-109, 2002, setembro-dezembro.

MACHADO DA SILVA, C. L.; ROSSONI, L. Institucionalismo Organizacional e Práticas de Governança Corporativa. RAC, Curitiba, Edição Especial, art.7, pp. 173-198, 2010.

PENG, M.; LI SUN, S.; PINKHAN, B.; CHEN, H. The institution-based view as a third leg for a strategy tripod. Academy of Management Perspectives, 23(4): 63-81 (2). 2009.

Relatório do seminário de acompanhamento dos programas acadêmicos da área de Administração, Ciências Contábeis e Turismo. Disponível em

http://www.capes.gov.br/images/stories/download/avaliacao/Relatorio_sem_acomp_adm_ac.pdf Acesso em outubro de 2014.

SCOTT, W. Richard. Institutions and Organizations. Sage Publications. International Educational and Professional Publisher. Thousand Oaks: London. New Delhi, 1995.

SCOTT, W. R. Approaching adulthood: The maturing of institutional theory. Theory and Society. 37, pp. 427-442, 2008.

SANTOS, Boaventura de Souza. Da ideia de universidade à universidade de idéias. IN: SANTOS, Boaventura de Souza (org.). Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. São Paulo: Cortez, 1999.

STAMELO, Y. De l’esprit critique au ranking universitaire: pièces d’un puzzle. Paris, (à paraître), 2010.

THÉRY, H. Classificações de universidades mundiais, “Xangai” e outras. Estudos Avançados 24(70), 2010.

WOLFF, Robert Paul. O Ideal da Universidade. Tradução de Sonia Veasey Rodrigues, Maria Cecília Pires Barbosa Lima. São Paulo: Editora Universidade Estadual de São Paulo, 1993.

ZHANG, Y.; WILDEMUTH, B. M. Qualitative analysis of content. In B. Wildemuth (Ed.), Applications of Social Research Methods to Questions in Information and Library Science (pp.308-319). Westport, CT: Libraries Unlimited. 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/interfaces.v16i1.7704

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN eletrônico: 1984-5677

ISSN impresso: 1519-0994