Mulheres negras acadêmicas: preconceito, discriminação e estratégias de enfrentamento em uma universidade pública do Brasil

Bruna Lanzoni Munoz, Gisela Lays dos Santos Oliveira, Alessandro de Oliveira dos Santos

Resumo


Este estudo descreve as experiências de preconceito e discriminação de mulheres negras em uma universidade pública e suas estratégias de enfrentamento. Foi realizado um estudo qualitativo descritivo por meio de entrevista com 15 mulheres na faixa etária de 22 até 55 anos. Os dados coletados foram submetidos à análise de conteúdo dando origem as categorias: concepções sobre ser mulher negra; experiências de preconceito e discriminação na universidade; estratégias de enfrentamento do preconceito e da discriminação. Constatou-se que a concepção de ser mulher negra envolve necessariamente o desafio de construir uma auto­imagem e identidade positivas e uma perspectiva de resistência. O preconceito e discriminação na universidade manifestaram-se por meio de experiências que indicam hostilidade, rejeição e impedimentos. As estratégias de enfrentamento do preconceito e discriminação, por sua vez, envolvem o apoio da família, o envolvimento com a estética, a religiosidade e a ancestralidade de matriz africana, a participação em coletivos organizados de estudantes negros dentro da universidade. 


Palavras-chave


Mulheres negras. Preconceito. Discriminação. Estratégias de Enfrentamento. Instituições de Ensino Superior.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, P. C. S. Gênero, raça, desigualdades e políticas de ação afirmativa no ensino superior. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n.16, p.39-64, 2015.

BERGAMO, M. De 6 mil professores da USP, só 120 são negros. Retirado de http://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2017/07/1898507-de-6000-professores-dausp-so-120-sao-negros.shtml?cmpid=compfb. Visualizado em 08/07/2018. BOCCHINI, B. Cai número de alunos pretos e pardos que entraram na USP em 2016, EBC Agência Brasil. Retirado de http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2016-06/cai-numero-de-pretos-epardos-aceitos-pelo-vestibular-da-usp-em-2016. Visualizado em 03/03/2018.

BERGAMO, M. De 6 mil professores da USP, só 120 são negros. Retirado de http://www1.folha.uol.com.br/colunas/monicabergamo/2017/07/1898507-de-6000-professores-dausp-so-120-sao-negros.shtml?cmpid=compfb. Visualizado em 08/07/2018. BOCCHINI, B. Cai número de alunos pretos e pardos que entraram na USP em 2016, EBC Agência Brasil. Retirado de http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2016-06/cai-numero-de-pretos-epardos-aceitos-pelo-vestibular-da-usp-em-2016. Visualizado em 03/03/2018.

CALDWELL, K. L. Racialized Boundaries: Women's Studies and the Question of “Difference” in Brazil. Journal of Negro Education, v.70, n.3, p.219-230, 2001.

CASTRO, B. P., FOSTER, E. D. L. S. & CUSTÓDIO, E. S. O Negro na universidade: percepções de estudantes sobre as relações inter-raciais na Universidade Federal do Amapá. RevistAleph, n.29, p. 87-116, 2017.

GUIMARÃES, A. S. Como trabalhar com “raça” em sociologia. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.01, p.93-107, 2003.

HENRY, F. & TATOR, C. Racism in the Canadian University: Demanding Social Justice, Inclusion, and Equity. Toronto: University of Toronto Press, 2009.

MODESTO, J. G., MINELLI, A. C., FERNANDES, M. P., RODRIGUES, M., BUFOLO, R., BITENCOURT, R. & PILATI, R. Racismo e Políticas Afirmativas: Evidências do Modelo da Discriminação Justificada. Psicologia: Teoria e Pesquisa, n.33, p.1-8, 2018.

PRESTES, C. R., & PAIVA, V. S. Abordagem psicossocial e saúde de mulheres negras: vulnerabilidades, direitos e resiliência. Saúde e Sociedade, n.25, p.673-688, 2016.

SANTOS, A. O. Superar o racismo e promover a saúde da população negra: desafios para o trabalho de prevenção ao HIV/Aids no Brasil. In: PAIVA, V.; AYRES, J. R. & BUCHALLA, C. M. (Orgs.). Vulnerabilidade e Direitos Humanos. Prevenção e Promoção da Saúde. Da doença à Cidadania. Curitiba: Juruá Editora, p.145-163, 2012.

SANTOS, A. O. Strategies of black students benefiting from affirmative action in Brazil to guarantee and protect their subjective well-being, 67th Annual Conference of the University of Florida Center for Latin American Studies, Gainesville, E.U.A, 09 de Abril de 2018. SCHUCMAN, L. V. Racismo e antirracismo: a categoria raça em questão. Psicologia Política, São Paulo, v. 10, n. 19, p. 41-55, 2010.

SILVA, T. D. Panorama social da população negra. In: SILVA, T. D. & GOES, F. L. (Orgs.). Igualdade racial no Brasil: reflexões no Ano Internacional dos Afrodescendentes. Brasília: IPEA, p.13-28, 2013.

TEIXEIRA, G. J. T. & SILVA, R. A. R. Ações Afirmativas: Um Estudo no Campus Central do IFRN. Anthesis, v.5, n.9, p.92-102, 2017.

THOMAS, G. D., & HOLLENSHEAD, C. Resisting from the margins: The coping strategies of Black women and other women of color faculty members at a research university. Journal of Negro Education, v.70, n.3, p. 166-175, 2001.

WANE, N. Black Canadian Feminist Thought: Perspectives on Equity & Diversity in the Academy. Journal of Race, Ethnicity and Education, Memphis, v. 12, n. 1, p. 65-77, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/interfaces.v18i3.14420

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN eletrônico: 1984-5677

ISSN impresso: 1519-0994