Estratégias de saúde realizadas por/para mulheres negras nas Américas: revisão de escopo

Clélia R. S. Prestes, Felipe L. Fachim, Vera S. F. Paiva

Resumo


Este artigo apresenta um panorama de estratégias de promoção da saúde de mulheres negras, voltadas à potencialização de resiliência, agência, emancipação, autonomia ou empoderamento. Os dados apresentados neste artigo correspondem a parte dos resultados coletados por uma revisão sistemática de escopo, que integrou a pesquisa “Estratégias de promoção da saúde de mulheres negras: interseccionalidade e bem viver”, com descrição de experiências reconhecidas no campo científico.  Discutimos 11 estratégias estadunidenses e 1 brasileira, apresentando seus objetivos, perspectivas teóricas, descrições, quem as realizou, perfil de participantes, método, técnicas e instrumentos, além de discutir alguns resultados e o panorama geral, em diálogo com as perspectivas teóricas da abordagem multicultural dos direitos humanos na saúde e do feminismo negro. Ao final, apontamos recomendações para agendas futuras, no sentido da atenção à interseccionalidade como método de análise e de ação, produções teóricas de diversas regiões, epistemologias e cosmovisões, consideração das demandas específicas, responsabilidade ampla pela saúde das mulheres negras, valorização das experiências das mesmas, incluindo as não-acadêmicas, o feminismo negro como estratégia de enfrentamento das colonialidades de poder, diversidade na formação de equipes e fontes teóricas, ampliação das publicações de pesquisadoras(es) negras(os) e do movimento social negro e de mulheres negras, e ampliação das vozes de autoras(es) amefricanas(os).

 


Palavras-chave


Mulheres; Relações Raciais; Promoção de Saúde; Psicologia Social (Aspectos Psicossociais); Feminismo negro.

Texto completo:

PDF

Referências


AYRES, José Ricardo; PAIVA, Vera; FRANÇA Júnior, Ivan. Conceitos e práticas de prevenção: da história natural da doença ao quadro da vulnerabilidade e direitos humanos. In: PAIVA, Vera; AYRES, José Ricardo; BUCHALLA, Cassia Maria (Orgs.). Vulnerabilidade e direitos humanos: prevenção e promoção da saúde [Coletânea]. Livro 1: Da doença à cidadania. Curitiba: Juruá, 2012.

CARDOSO, Cláudia Pons. Outras falas: feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. Salvador: UFBA, 2012. Tese (Doutorado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo) - Programa de Pós- Graduação em Estudos de Gênero, Mulher e Feminismo, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: knowledge, consciousness and the politics of empowerment. 2nd ed. New Your and London: Routledge, 2009.

______. Em relação a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. In: MORENO, Renata (Org.). Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: SOF, 2015.

______; BILGE, Sirma. Intersectionality. Cambridge: Polity Press, 2016.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002.

CURIEL, Ochy. Crítica poscolonial desde las prácticas políticas del feminismo antirracista. Nómadas. Bogotá, p. 92-101, abr. 2007.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. In: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, n.º 92/93, jan./jun. 1988.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

______. Feminist theory: from margin to center. 2 ed. Cambridge: South End Press, 2000.

______. Intelectuais Negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 464, jan. 1995.

______. Sisters of the yam: black women and self-recovery. 3rd ed. New York: Routledge, 2015b.

PRESTES, Clélia R. S. Estratégias de promoção da saúde de mulheres negras: interseccionalidade e bem viver. 2018. 206 f. Tese (Doutorado em Ciências - Psicologia Social) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SALAZAR, Adriana Rodríguez. Teoría y práctica del buen vivir: orígenes, debates conceptuales y conflictos sociales. El caso de Ecuador. 2016. 421 f. Tese (Doutorado) – Universidad del País Vasco. Espanha, 2016.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2007.

SANTOS, Gislene Aparecida dos. Racismo institucional: uma análise a partir da perspectiva dos estudos pós-coloniais e da ética. Ensaios Filosóficos, v. 11, jul. 2015.

WANE, Njoki. “Mapping the field of Indigenous knowledges in anti‐colonial discourse: a transformative journey in education”, Race Ethnicity and Education, 11:2,183-197, 2008.

WANE, Njoki. “Black Canadian feminist thought: perspectives on equity and diversity in the academy”, Race Ethnicity and Education, 12:1, 65-77, 2009.

WERNECK, Jurema; IRACI, Nilza; CRUZ, Simone. Marcha das mulheres negras. Fundação Ford, 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/interfaces.v18i3.14611

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN eletrônico: 1984-5677

ISSN impresso: 1519-0994