Literatura e verdades em “Felicidade demais”, de Alice Munro

Jacques Fux, Rebecca Pedroso Monteiro

Resumo


O conto “Felicidade demais”, de Alice Munro, levanta importantes questões acerca dos limites e possibilidades da ficção histórica, que se efetivam principalmente a partir dos “Agradecimentos” colocados como paratexto no fim do conto. Este ensaio pretende observar o modo de funcionamento “suplementar” desse paratexto, a maneira como ele potencializa uma revisão contínua das fronteiras entre literatura, história, verdade(s), realidade e ficção, permitindo defender sua mobilidade e interdependência mútuas, bem como a potencialidade poética do conto de Munro.

Palavras-chave


Alice Munro; “Felicidade demais”; Paratexto

Texto completo:

PDF

Referências


AMUTHA, M. M. The cultural significance of women: A representation through a historical short story – Too much happiness. Journal of Literature, Culture and Media Studies, v. 2, n. 4, p. 319-329, 2010.

ASSIS, M. de. Dom Casmurro. São Paulo: Globo, 1997.

AWANO, L. D. An interview with Alice Munro. Spring, 2013. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2013.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lima Reis, Gláucia Gonçalves. Belo Horizonte: UFMG, 1998.

BARTHES, R. O efeito de real. In: ______. O rumor da língua. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Cultrix, 2004.

BOUCHERIE, M. Disturbing to Others: The Too Great Happiness of Alice Munro and Sophia Kovalevsky. Revisiones, n. 6, p. 143-155, 2010.

BLANCHOT, M. O livro por vir. Tradução de Leyla Perrone Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CANDIDO, A. No começo era de fato o verbo. In: LISPECTOR, C. A paixão segundo G.H. Edição crítica. Benedito Nunes (Coord.). Paris: Association Archives de la Littérature Latino-américaine, des Caraibes e Africaine du XX Siècle (ALLCA XX); São Paulo: Scipione cultural, 1997. p. XVII-XIX.

COMPAGNON, A. O trabalho da citação. Tradução de Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: UFMG, 1996.

COX, A. Age Could Be Her Ally’: Late Style in Alice Munro’s Too Much Happiness”. In: MAY, C. (Ed.). Critical Insights: Alice Munro. Massachusetts: Salem Press, 2012.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença. Tradução de Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1995.

ECO, H. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ENRIGHT, A. Come to read Alice, not to praise her. The Globe and Mail. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2013.

HERSH, R. What is Mathematics, really? London: Vintage, 1998.

ISER, W. O fictício e o imaginário. Rio de Janeiro: UERJ, 1996.

JABÈS, E. Le livre des questions, Paris: Gallimard, 1963.

KOVALEVSKY, S. A Russian Childhood. Trad. de B. Stillman. New York: Springer Verlag, 1978.

KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. Tradução de Lúcia Helena França Ferraz. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

LEJEUNE, P. Le pacte autobiographique. Paris: Seuil, 1975.

LISPECTOR, C. Água viva. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

______. Perto do coração selvagem. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

MIRANDA, W. M. Corpos escritos: Graciliano Ramos e Silviano Santiago. São Paulo: Edusp; Belo Horizonte: UFMG, 1992.

MUNRO, A. Felicidade demais. Tradução de Alexandre Barbosa de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

PAINTER, R. M. Too much happiness, too much suffering… Never enough reality through narrative. Analecta Husserliana, v. 109, p. 283-297, 2011.

SANTIAGO, S. A vida como literatura: o Amanuense Belmiro. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006.

______. (Org.). Glossário de Derrida. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

TURRER, D. O livro do artista e o paratexto. Revista Pós. Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 73-81, 2012.

ZIZEK, Slavoj. ¿Cuán real es la realidad? In: ______. Mirando el sesgo. Barcelona: Paidós, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/interfaces.v14i1.6793

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN eletrônico: 1984-5677

ISSN impresso: 1519-0994