Modelo de intervenção aplicada ao período Peri-natal: Reflexões sobre a dinâmica do Centro de estudo e pesquisa de intervenção familiar (CERIF ̸ UQO ̸ Canadá)

Elisângela Rodrigues Carrijo, Thales Haddad de Novaes Andrade, Charmain Levy, Francine DeMontigny

Resumo


O presente artigo justifica-se pela importância de refletir quanto às práticas que, gestadas em meios acadêmicos, colaboram com um segmento da sociedade québécoise. O artigo objetiva discutir se as práticas do Centro de Estudo e Pesquisa de Intervenção Familiar (CERIF/UQO/Canadá), relativas ao modelo de acompanhamento familiar do luto perinatal, quando associadas à rede, têm potencial para ascender à institucionalização de uma política pública. Através de método qualitativo, de observação discutida à luz das teorias das políticas públicas e de aplicação de conceitos clássicos – bem como o de capital social – o estudo permitirá discutir as articulações internas do CERIF, associadas à formação de rede em torno de práticas de saúde, junto ao fenômeno do luto perinatal. Desse modo, será possível responder se tais articulações agregam condições para fazer das referidas práticas uma política pública de fato. Em Guerra (2006, p. 10), as vantagens das metodologias compreensivas são de várias ordens: de ordem epistemológica, na medida em que os atores são considerados indispensáveis para entender comportamentos sociais; de ordem ética e política, pois permitem aprofundar as contradições e os dilemas que atravessam a sociedade concreta; de ordem metodológica, por fim, como instrumento privilegiado de análise das experiências e do sentido da ação.

Palavras-chave


Capital social; CERIF; Quebec; Pré-natal

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. O desafio de construir e implementar políticas de saúde: relatório de gestão. Brasília, DF: 2000-2002.

BOLIN, K. et al. Investments in Social Capital: Implications of social interactions for the production of health. Social Science and Medicine, Centre d'études et de recherche en intervention familiale (CERIF), p. 2379-2390, 2003. Disponível em: . Acesso em: 8 dez. 2012.

CENTRE D'ETUDES ET DE RECHERCHE EN INTERVENTION FAMILIALE. Website du Centre d’études et de recherche en intervention familiale: Université du Québec en Outaouais. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012.

COLEMAN, J. S. Foundations of social theory. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 1990. p. 300-318.

DE MONTIGNY, F.; DEVAULT, A.; GERVAIS, C. La naissance de la famille: accompagner les parents et les enfants en période périnatale. Montréal: Chènevière Éducation Inc., 2012. p. 35-77.

GONDIM, S. M. G.; VEIGA, L. A utilização de métodos qualitativos na Ciência Política e no marketing político. Opinião Pública, Campinas, v. 7. n. 1. p. 1-15, 2001.

GUERRA, I. C. Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdo: sentidos e formas de uso. Portugal: Principia, 2006. p. 7-39.

HANIFAN, L. J. The Rural School Community Center. Annals of The American Academy of Political and Social Science, n. 67, p. 130-138, 1916.

HOCAMAN, G.; ARRETCHE, M.; MARQUES, E. Políticas Públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008. p. 87-121.

MARCHAND, S. Le phénomène de la douleur. 2. ed. Montréal: Chènevière Éducation Inc, ,2009. p. 3-27.

NARAYAN, D.; CASSIDY, M. F. A dimensional approach to measuring social capital: development and validation of a social capital inventory. Current Sociology, v. 49, n. 2, p. 59-102, 2001.

PORTAL INTERNACIONAL DO CANADÁ. Sobre Aboriginal e autochtones, 4 jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012.

PUTNAM, R. D. The prosperous community: Social capital and public life: The American Prospect 4 “Bowling alone: America’s declining social capital”. Journal of Democracy, n. 6, p. 65-78, 1993.

READING, J.; KMETIC, A.; GIDEOON, V. First Nations Holistic Policy and Planning Model: Discussion for the World Health Organization Commission on Social Determinant of Health. Ottawa: Assembly of First Nations, 2007.

RUA, M. G. Análise de políticas públicas: conceitos básicos. In: RUA, M. G.; CARVALHO, M. I. V. (Org.). O estudo da política: tópicos selecionados. Brasília: Paralelo 15, 2002.

SANTOS-FILHO, S. B. Perspectivas da avaliação na Política Nacional de Humanização em Saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Ciência & Saúde Coletiva, Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Brasil, v. 12, n. 4, p. 999-1010, julho-agosto, 2007.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, 2006.

VARELA, S. P. Financiamento e controladoria dos municípios paulistas no setor saúde: uma avaliação de eficiência. NEPP/UNICAMP. Cadernos, Campinas, n. 70, p. 15, 2005.

WESTPHAL, M. F.; SANTOS, J. L. F. Práticas emergentes de um novo paradigma de saúde: o papel da universidade. Estudos avançados, [online], v. 13, n. 35, p. 71-88, 1999.

YVES, S. Idées, intérêts, institutions dans l’analyse des politiques publiques pouvoirs. Pouvoirs: L’extrême droite en Europe, n. 87, p. 161-178, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/interfaces.v14i1.6814

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN eletrônico: 1984-5677

ISSN impresso: 1519-0994