A SOCIOLOGIA COMO ONTOLOGIA DO PRESENTE

Frédéric Vandenberghe

Resumo


Para reconstruir as sociedades, temos que reconstruir a sociologia. É somente se a sociologia se abrir à filosofia e aos ‘Estudos’ para analisar a ontologia do presente que ela poderá contribuir para a análise, o diagnóstico e a crítica da atual transformação da sociedade. O artigo apresenta uma visão panorâmica de cinco gerações de sociólogos e desenvolve o conceito de uma segunda pós-modernidade como encontro fatídico do neoliberalismo, do populismo e do Antropoceno em uma única síndrome.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências:

AGIER, M. (2013): "Le tournant contemporain de l'anthropologie", Socio, 1, pp. 77-93.

BACHMANN-MEDICK, B. (2016): Mudanças Culturais. Novas Orientações no Estudo da Cultura. Berlim: De Gruyter.

BOLTANSKI, L. e CHIAPELLO, E. (1999): The New Spirit of Capitalism. Paris: Gallimard.

BONNY, Y. (2004): Sociology of the Present Time (Sociologia do Tempo Presente). Modernidade avançada ou pós-modernidade? Paris: A. Colin.

BOURDIEU, P. (2002): "Pour un savoir engagé", Le Monde diplomatique, No. 575, fevereiro, p. 3.

BURAWOY, M. (2005): "For Public Sociology", American Sociological Review, 70, 1, pp. 4-28.

CAILLÉ, F. et VANDENBERGHE, F., eds., (2021) : Para uma Nova Sociologia clássica. Uma Proposta, seguida de um Debate. Londres/Delhi : Routledge.

CANHA, A. (2020): "Girassol à meia-noite", Insight/Inteligência, no. 89.

COMAROFF, J. (2010) : " The End of Anthropology, Again : On the Future of an In/Discipline ", American Anthropologist, 12, 4, pp. 524-538.

CONNELL, R. (2007) : Teoria do Sul. The Global Dynamics of Knowledge in Social Science (A Dinâmica Global do Conhecimento em Ciências Sociais). Cambridge : Polity.

DJAIZ, D. (2020): "Capitalismo, sustentabilidade da democracia: A equação impossível? "Le Débat, no. 209/2, pp. 143-154.

DUBET, F. (2020): "Le retour de la société", Revue du MAUSS, no. 56.

DURAND, J.-M. (2019): Homo intellectus. Uma investigação (hexagonal) de uma espécie em processo de reinvenção. Paris: La Découverte.

DUSSEL, E. (1993) : "Europa, modernidad y eurocentrismo", pp. 41-53 em Lander, E. (ed.): La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires : Clacso.

FOUCAULT, M. (1984a): "O que é o Iluminismo? "in Dits et Ecrits Tome IV (texto nº 339), pp. 562-578. Paris: Gallimard.

FOUCAULT, M. (1984b): "O que é o Iluminismo? "in Dits et Ecrits Tome IV (texto nº 351), pp. 679-688. Paris: Gallimard.

FOUCAULT, M. (1994): Naissance de la biopolitique. Paris: EHESS/Gallimard/Seuil.

FREITAG, M. (2011-2013): Dialética e Sociedade, 3 vols. Montreal: Éditions Liber.

GAUCHET, M. (2014): "Filosofia na França hoje". Entrevista com Didier Mineur", Cités, no. 58, pp. 197-3204 .

GEISELBERGER, H. (2017): A Grande Regressão. Um debate internacional sobre a situação intelectual da época. Berlim : Suhrkamp.

GOULDNER, A. (1970): The Coming Crisis of Western Sociology. Nova York : Os livros básicos.

GRAMSCI, A. (1971): Selections from the Prison Notebooks. Nova York : Editoras Internacionais.

HELD, D. et al. (1999): Global Transformations. Política, Economia e Cultura. Cambridge: Polity Press.

HOCHCHILD, A. (2016): Estranhos em suas próprias terras. Nova York : New Press.

LAHIRE, B. (2002): "Utility. Entre sociologie expérimentale et sociologie sociale", pp. 43-66 em Lahire, B. (ed.): À quoi sert la sociologie? Paris: La Découverte.

LATOUR, B. (2015): Facing Gaïa. Oito conferências sobre o novo regime climático. Paris: La Découverte.

LUHMANN, N. (1994): Die Gesellschaft der Gesellschaft. Frankfurt am main: Suhrkamp.

MACÉ, É. (2020): Depois da Sociedade. Manual de sociologia ampliada. Lormont: A beira-mar.

MANNHEIM, K. (1995): Ideologia e Utopia. Frankfurt am Main : Klosterman.

MBEMBE, A. (2020): Brutalismo. Paris: La Découverte.

MERTON, R.K. (1973): "The Normative Structure of Science", pp. 267-278 em The Sociology of Science, Theoretical and Empirical Investigations. Chicago: Imprensa da Universidade de Chicago.

POLANYI, K. (1957): A Grande Transformação. Boston: Beacon Press.

SAVAGE, M. (2009): " Against Epochalism: An Analysis of Conceptions of Change in British Sociology ", Cultural sociology, 3, 2, pp. 217-238.

SIMMEL, G. (1992): "Excursus on the problem: How is society possible?, in sociology. Estudo sobre as formas de socialização (GSG 11), pp. 42-61. Frankfurt: Suhrkamp.

STEFFEN, W. et al. (2015): "A trajetória do Antropoceno": The Great Acceleration", The Anthropocene Review, 2, 1, pp. 81-98.

STEINMETZ, G., ed., (2005): The Politics of Method in the Human Sciences. O Positivismo e seus Outros Epistemológicos. Durham : Duke University Press.

STIEGLER, B. (2016): Em ruptura. Como não ficar louco? Paris: Os laços que libertam.

TROM, D. (2019): La France sans les juifs. Emancipação, extermínio, expulsão. Paris: PUF.

VANDENBERGHE, F. (2017): "To be or not to be affected", Newsletter Society and Emotions (TG8/ISA), no. 2, agosto, pp. 10-17.

VANDENBERGHE, F. et Fuchs, S. (2019): "On the Coming End of Sociology", Canadian Review of Sociology, 56, 1, pp. 138-143.

VANDENBERGHE, F. (2020): "Sociologie de la conjoncture, de la structure et de la démocrature au Brésil", Problèmes d'Amérique latine (no prelo).

WAGNER, P. (1994): A Sociology of Modernity. Liberdade e Disciplina. Londres : Routledge.




DOI: https://doi.org/10.15210/norus.v9i15.21669

Direitos autorais 2021 Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2318-1966 

Indexadores nacionais: Sumários.orgDiadorimGoogle Scholar

Indexadores internacionais: Bibliothek Universitat Hamburg;Citeulike; DOAJLatindex; Mendeley; REDIB; Research Gate; ROAD; WorldCat

 

Apoio: