A questão da cidadania nos Princípios da Filosofia do Direito de Hegel

Sergio Luís Rizzo Dela-Savia

Resumo


Este artigo pretende pôr em evidência a expressão conceitual que adquire a figura do cidadão no quadro da filosofia política hegeliana seguindo a exposição político-especulativa dos Princípios da Filosofia do Direito. Veremos que o movimento de figuração da cidadania – mediador das relações entre vida privada/vida pública, sociedade civil/Estado, direitos/deveres – evidencia um dos pontos fortes da ética hegeliana, a saber, que toda ordem política – é indissociavelmente ligada, ao mesmo tempo, aos costumes da sociedade e à atividade lúcida dos indivíduos. A partir dessa perspectiva de análise compreendemos melhor como os Princípios da Filosofia do Direito trazem à maturidade um elemento central do pensamento político moderno: a ideia de que a realização do bem comum repousa sobre a força e a estabilidade das instituições políticas.

Palavras-chave


Eticidade; cidadania; política; reconhecimento; instituição.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v46i0.11302

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: