Hesíodo como precursor do espírito do capitalismo

Renato Nunes Bittencourt

Resumo


Neste texto realizamos uma interpretação acerca do valor ético do trabalho na obra de Hesíodo como um modo do ser humano desenvolver em termos práticos a prédica helênica da justa medida, de tal forma que o homem agrade aos olhares divinos. Para Hesíodo, o trabalho não é apenas o meio justo de se conseguir riqueza, mas também o processo que granjeia a estima dos deuses através do esforço dispendido nas atividades cotidianas, enquanto que o ato de não trabalhar torna-se algo aviltante e motivo de vergonha. A competitividade é fundamental para o estímulo pessoal por superação das suas limitações. O tempo não pode ser desperdiçado com coisas inúteis e a procrastinação é considerada um ato ruim. Apresentamos, mediante leitura da obra de Hesíodo, uma série de indícios que, em com a devida licença, fazem-no um antecipador dos parâmetros éticos do empreendedorismo capitalista em suas bases protestantes. 


Palavras-chave


Hesíodo; Trabalho; Disciplina; Empreendedorismo; Tempo.

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômacos. Trad. de Mário da Gama Kury. Brasília: Editora da UNB, 1992.

DODDS, E. R. Os gregos e o irracional. Trad. de Paulo Domenech Oneto. São Paulo: Escuta, 2002.

HERÁCLITO. “Fragmentos”. In: PRÉ-SOCRÁTICOS. Fragmentos, doxografia e comentários. Trad. de José Cavalcante de Souza. São Paulo: Nova Cultural, 2000. (Os Pensadores).

HERÔDOTOS. História. Trad. de Mário da Gama Kury. Brasília: UnB, 1985.

HESÍODO. Teogonia; Trabalhos e dias. Trad. de Ana Elias Pinheiro e José Ribeiro Ferreira. Lisboa: INCM, 2005.

HOMERO. Ilíada. Trad. de Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

________. Odisséia. Trad. de Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

JAEGER, Werner. Paidéia: a formação do homem grego. Trad. de Artur M. Parreira. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

NIETZSCHE, Friedrich. Cinco prefácios para cinco livros não escritos. Trad. de Pedro Süssekind. Rio de Janeiro: SetteLetras, 1996.

________. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. Trad. de J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SNELL, Bruno. A cultura grega e as origens do pensamento europeu. Trad. de Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2005.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos. Trad. de Haiganuch Sarian. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

VERNANT, Jean-Pierre & VIDAL-NAQUET, Pierre. Trabalho e escravidão na Grécia Antiga. Trad. de Marina Appemzeller. Campinas: Papirus, 1989.

WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. Trad. de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v49i0.11303

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: