Do desacordo ao paradoxo da autoridade: uma análise da concepção de serviço de autoridade à luz da teoria do “ponto-cego”, de R. Sorensen

Ramiro de Ávila Peres

Resumo


A partir de uma revisão crítica da literatura, estuda-se um desafio do anarquismo filosófico à teoria da autoridade jurídica de J. Raz: seguir uma ordem de que se discorda seria irracional, pois equivaleria a agir contra o que se considera mais justificado. Utilizando referências atinentes à teoria da decisão e à epistemologia, além de exemplos sobre ferramentas de auxílio à tomada de decisão do cotidiano (como experts e programas), esboçamos duas possíveis respostas, que correspondem a duas concepções instrumentais distintas de autoridade: numa, é justificável para o agente colocar-se numa situação que o leve a agir de forma inconsistente com suas crenças – a ideia de “submeter-se à autoridade”, afim a uma “confiança cega”; noutra, utilizando a teoria dos “pontos-cegos”, delineiam-se restrições que uma teoria da racionalidade impõe à teoria da autoridade.


Palavras-chave


Autoridade; Racionalidade; Paradoxo

Texto completo:

PDF

Referências


AUMANN, Robert J.. “Agreeing to Disagree”. Annals of Statistics, v. 4, nº 6, 1976, pp. 1236-1239. Disponível em: , acesso em 24.7.2016.

BRITTO, Carlos Ayres. “O Regime Constitucional dos Tribunais de Contas”. Revista Diálogo Jurídico, Salvador, CAJ - Centro de Atualização Jurídica, v. I, nº. 9, dezembro, 2001. Disponível em: .

BINMORE, Kenneth G.. “Rationality and backward induction”. Journal of Economic Methodology, v. 4, nº 1, 1997, pp. 23-41. Disponível em: , acesso em 24.7.2016.

BINMORE, Kenneth G.. Game theory: A very short introduction. New York: Oxford University Press, 2007.

DWORKIN, Ronald. O Domínio da Vida: aborto, eutanásia e liberdades individuais. Trad.: Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

GARDNER, John. Law as a leap of faith: essays on law in general. Oxford: Oxford University Press, 2012.

HART, Herbert L. A. Essays on Bentham: Studies in Jurisprudence and Political Theory. Oxford, UK: Clarendon Press, 1982.

HERSHOVITZ, Scott. “The Role of Authority”. Philosophers' Imprint, University of Michigan Public Law Working Paper N. 201, 2010. Disponível em: , acesso em 24.7.2016.

HOBBES, Thomas. Os Elementos da Lei Natural e Política. Trad. Fernando Dias Andrade. São Paulo: Ícone, 2002.

KAVKA, Gregory. "The Toxin Puzzle". Analysis, v. 43, nº 1, 1983, pp. 33–36. Disponível em: , acesso em 24.7.2016.

PARFIT, Derek. Reasons and Persons. Oxford: Clarendon Press, 1984.

PARFIT, Derek. On What Matters. Vol. .1 Oxford: Oxford University Press, 2011.

RAZ, Joseph. The Authority of Law: Essays on law and morality. Oxford: Clarendon Press, 1979.

RAZ, Joseph. The Morality of Freedom. Oxford: Clarendon Press, 1986.

RAZ, Joseph. Ethics in the public domain: Essays in the morality of law and politics. Oxford: Clarendon Press, 1994.

RAZ, Joseph. Between Authority and Interpretation: on the theory of law and practical reason. Oxford: Oxford University Press, 2009.

SHAPIRO, Scott J.. “Authority”. Stanford/Yale Jr. Faculty Forum Research Paper 00-05; Cardozo Law School, Public Law Research Paper No. 24, 2000. Disponível em SSRN: , acesso em 24.7.2016.

SORENSEN, Roy A.. Blindspots. Oxford: Clarendon Press, 1988.

SORENSEN, Roy A.. "Epistemic Paradoxes". The Stanford Encyclopedia of Philosophy Spring 2014 Edition, Edward N. Zalta (ed.). Última atualização em 2011. Disponível em , acesso em 24.7.2016.

WILLIAMS, Bernard. Moral: uma introdução à ética. Trad. Remmo Manarino Filho. São Paulo: Martins Fontes, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v48i0.11471

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: