Radically Enactive High Cognition

Giovanni Rolla

Resumo


Eu avanço o programa da Cognição Radicalmente Enativa (CRE) desenvolvendo a ideia de Hutto & Satne (2015) e Hutto & Myin (2017) de que a cognição com conteúdo emerge de atividades socioculturais, que demandam uma forma de intencionalidade desprovida de conteúdo. Proponentes de CRE então enfrentam um desafio funcional: qual é a função de habilidades de cognição superior, dadas as descobertas empíricas segundo as quais o engajamento em atividades de cognição superior não é correlato com melhoras cognitivas (Kornblith, 2012)? Eu respondo ao desafio funcional argumentando que a cognição superior é uma ferramenta adaptativa dos sistemas sociais em que estamos imbuídos, portanto, ela não é necessariamente direcionada à melhora de estados cognitivos. Para fazer isso, eu interpreto insights centrais ao enativismo autopoiético pelas lentes de CRE.


Palavras-chave


Enativismo Radical; Cognição Corporificada; Enativismo Autopoiético; Sistemas Sociais.

Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v47i0.12390

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: