Contratualismo e justiça: ações justas e injustas na relação entre validade e cumprimento de pactos em Hobbes

Delmo Mattos

Resumo


A relação entre os termos do contratualismo e da justiça é uma questão relevante a ser discutida no âmbito do projeto filosófico e político de Hobbes. Trata-se, portanto, de uma relação que subjaz a lógica interna do seu projeto contratualista, enquanto uma relação entre promessas de cumprimento e uma ação contrária capaz de desfazer o princípio de qualquer acordo efetivamente expresso. Nesse sentido, há, portanto, duas ações no núcleo do acordo consensual proposto por Hobbes, uma ação injusta e outra justa, ou seja, uma de “quebra” do acordo, outra do cumprimento da promessa. Essas ações são os elementos conceituais mais relevantes para refletir o sentido do ato justo e injusto no âmbito do contratualismo hobbesiano. O justo compreende o cumprimento do acordo e, por outro, o seu descumprimento é uma ação injusta. Não obstante, deve-se indagar: o que determina o cumprimento e o descumprimento do acordo? Em que sentido uma “vida virtuosa” depende de cumprir promessas, acordos e pactos? O propósito desse artigo consiste em evidenciar o cerne da temática da justiça em Hobbes considerando, sobretudo, a sua intrínseca relação com o seu argumento contratualista. Nessa relação, analisam-se o caráter dúbio das atribuições das palavras justo e injusto, assim como as de justiça e da injustiça. Diante disso, o direcionamento do debate proposto será de examinar a natureza da concepção de justiça, utilizando-se do modo como Hobbes concebe as determinações de uma verdadeira ação justa, ao passo que mediante tais esclarecimento seja possível conceber um homem justo e, consequentemente, um homem virtuoso e a pratica de uma vida virtuosa.


Palavras-chave


Virtude moral, constratualismo, ação justa, promessas, virtuosidade

Texto completo:

PDF

Referências


AKE, Claude. Social Contract Theory and the Problem of Politicization: The Case of

Hobbes.The Western Political Quarterly 23 (September 1970): 463-470.

ARDREY, Robert. The Social Contract. New York: Atheneum, 1970.

BOBBIO, Norberto. Thomas Hobbes, Rio de Janeiro: ed. Campus, 1991.

BERNARDES, Júlio. Hobbes a liberdade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

BOONIN-VAIL, D. Thomas Hobbes and the Science of Moral Virtue. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

BRONDANI, Clovis. Virtudes Cívicas na Filosofia de Hobbes. Intuitio, 2012, Vol.5 – Nº. 1, p. 146-160.

BATES, Stanley. “The Motivation to be Just.” Ethics 85 (October 1974): 1-17.

BERNS, Walter. “Judicial Review and the Rights and Laws of Nature.” The Supreme CourtReview 1982 (1982): 49-83.

BERNARDES, J. Hobbes & a liberdade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002

BOUCHER, David and Paul Kelly. The Social Contract From Hobbes to Rawls. New York: Routledge, 1994.

FRATESCHI, Yara. Racionalidade e moralidade em Hobbes. Revista: Dois pontos (Curitiba), 2009, pp. 1995-2002.

GAUTHIER, David. “Thomas Hobbes: Moral Theorist.” The Journal of Philosophy 76

(October 1979): 547-559.

GERT, Bernard. “Hobbes and Psychological Egoism.” Journal of the History of Ideas 28 no. 4 (1967): 503-520.

GIBBARD, Allan. Natural Property Rights. Noûs 10 (March 1976): 77-86.

GOUGH, J.W. The Social Contract. Oxford: Clarendon Press, 1936.

KIDDER, Joel. “Hobbes’s ‘Just Man’.” Reason Papers, no. 8 (Summer 1982): 1-15.

HANSON, Donald W. “Science, Prudence, and Folly in Hobbes’s Political Theory.”

Political Theory 21 (November 1993): 643-664.

HARVEY, Martin. “A Defense of Hobbes’s Just Man.” Hobbes Studies XV (2002): 68-86.

HOBBES, Thomas, Diálogo entre um filósofo e um jurista, São Paulo: Landy Editora, 2001.

_______________. Leviathan, or The Matter, Forme and Power of a Commonwealth Ecclesiasticall and Civil. Ed. C. B. Macpherson. Harmondsworth: Penguin Books, 1968.

_______________. Do Cidadão. Elementos Filosóficos a Respeito do cidadão. Tradução de Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

_______________. Elementos da lei natural e política Tradução de Bruno Simões. São Paulo: WMF/Martins Fontes, 2010.

LIMONGI, Maria Isabel. O homem excêntrico: paixões e virtudes em Thomas Hobbes. Edições Loyola. São Paulo, 2009.

MITCHELL, Joshua. “Hobbes and the Equality of All under the One.” Political Theory 21(February 1993): 78-100.

POGREBINSCHI, Thamy. O Problema da Obediência em Thomas Hobbes. Bauru: EDUSC, 2003. p. 37

SIMMONS, A. John. “Tacit Consent and Political Obligation.” Philosophy and Public

Affairs 5 (Spring 1976): 274-291.

SKINNER, Q. Razão e Retórica na Filosofia de Hobbes. São Paulo: Fundação Editora Unesp, 1999

____________. Thomas Hobbes: Rhetoric and the Construction o f Morality. Proceedings o f the British Academy, 76: 1 -61, 1991.

STRAUSS, L. The Political Philosophy of Thomas Hobbes: It’s Basis and Genesis.

Chicago, The University Press, 1963.

VILLANOVA, Marcelo Gross. O problema das leis em Hobbes. Dois pontos. Curitiba. São Carlos. Vol. 6, n. 3 – especial; p. 85-98. Abril, 2009.

WILLMS, Bernard. Thomas Hobbes. Das Reich des Leviathan. München: Piper, 1987




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v48i0.13374

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: