Cognitivismo e o Problema do Desacordo Moral

Denis Coitinho

Resumo


O objetivo central desse artigo é defender uma interpretação cognitivista do desacordo moral, de forma a não compreendê-lo como uma evidência da inexistência de verdades morais objetivas. Iniciamos com a interpretação não-cognitivista desse desacordo, apresentando o argumento da relatividade de Mackie e uma objeção já usual que se faz a ele. Posteriormente, apresentamos nossa interpretação cognitivista que fará uso de quatro argumentos centrais, de forma a considerar o desacordo valorativo: (i) mais sobre crenças não-morais do que sobre valores éticos, (ii) como não coerente com a ideia de progresso moral, (iii) melhor compreendido como uma prova da falsidade do não-cognitivismo e, por fim, (iv) como uma expressão do processo de amadurecimento de nosso pensamento normativo-moral, com destaque para o método do equilíbrio reflexivo.


Palavras-chave


Cognitivismo; Desacordo Moral; Progresso Moral; Equilíbrio Reflexivo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Nicomachean Ethics. Transl. Terence Irwin. Second Edition. Indianapolis: Hackett, 1999.

AUDI, R. Practical Reasoning and Ethical Decision. New York: Routledge, 2006.

BLACKBURN, S. Ruling Passions: A Theory of Practical Reasoning. New York: Oxford University Press, 2009.

BRINK, D. “Moral disagreement”. In: Moral Realism and the Foundations of Ethics. Cambridge: Cambridge University Press, 1989, pp. 198-209.

BUCHANAN, A.; POWELL, R. The Evolution of Moral Progress: A Biocultural Theory. New York: Oxford University Press, 2018.

COITINHO, D. “Significado, Razões e Contexto”. Revista de Filosofia Aurora, Curitiba. Vol. 27, No. 40, 2015, pp. 297-324.

GIBBARD, A. Wise Choices, Apt Feelings. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1990.

HAMPSHIRE, S. “Fallacies in Moral Philosophy”. Mind, Vol 58, No. 232, 1949, pp. 466-482.

HARARI, Y. Sapiens: A Brief History of Humankind. New York: Harper, 2015.

JACKSON, F. From Metaphysics to Ethics: A Defence of Conceptual Analysis. Oxford: Clarendon Press, 1998.

LACEY, H. “Relações entre fato e valor”. Cadernos de Ciências Humanas. Vol. 9, No. 16, 2006, pp. 251-266.

MACKIE, J. L. Ethics: Inventing Right and Wrong. London: Pelican Books, 1977.

MOORE, G. E. Principia Ethica. Cambridge: Cambridge University Press, 1959.

PARFIT, D. On What Matters. Volume Two. New York: Oxford University Press, 2011.

POPPER, K. The Logic of Scientific Discovery. London: Routledge, 2002.

PUTNAM, H. Mathematics, Matter and Method. Cambridge: Cambridge University Press, 1975.

_______. Reason, Truth and History. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.

_______. Ethics without Ontology. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 2005.

RACHELS, J. The Elements of Moral Philosophy. 4th Ed. New York: McGraw Hill, 2003.

RAWLS, J. A Theory of Justice. Original Edition. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1971.

_______. The Law of Peoples. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1999.

ROSS, D. The Right and the Good. Oxford: Oxford University Press, 1930.

STEVENSON, C. “The nature of ethical disagreement”. In: Facts and Values. New Haven: Yale University Press, 1963, pp. 1-9.

THOMAS, A. Value and Context: The Nature of Moral and Political Knowledge. New York: Oxford University Press, 2010.

WILSON, E. Sociobiology: The New Synthesis. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1975.

WOOD, P. “Science in the Scottish enlightenment”. In: BROADIE, Alexander (Ed.). The Cambridge Companion to the Scottish Enlightenment. Cambridge: Cambridge University Press, 2003, pp. 94-116.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v49i0.15005

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: