COGNIÇÃO POR MEIO DE DESCRIÇÃO E A EVOLUÇÃO DE LINGUAGEM

John Bolender

Resumo


É surpreendente que o ser humano possa formar representações mentais de objetos e propriedades que os seus órgãos dos sentidos não foram projetados pela seleção natural para registrar. Isto não é apenas referência deslocada, uma capacidade partilhada com algumas outras espécies. Afinal, referência deslocada pode ser referência para observáveis. Defendo a plausibilidade de desenvolver um programa de pesquisa para explorar como essa capacidade se refere o conhecimento por descrição em um sentido mais ou menos russelliano. Como tal, é um desdobramento acidental da faculdade de linguagem, especificamente a capacidade de construir descrições. Ainda mais especificamente, ele requer a capacidade para formar frases quantificadas, como por variantes da teoria das descrições. Os linguistas têm apresentado evidências de uma operação computacional própria para a faculdade de linguagem, Confluir Interno, que liga variáveis. Defendo a razoabilidade de um programa para explorar a forma como a singularidade humana de Confluir Interno contribui para a nossa capacidade de conhecimento por descrição. 


Palavras-chave


Descrição; cognição; linguagem; Russell; Chomsky.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v42i0.8474

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: