A FINITUDE TRANSGREDIDA

Malcom Guimarães Rodrigues

Resumo


No artigo Prefácio à transgressão, revivemos dois cenários que encontram seu ponto de inflexão na Crítica da Razão Pura, especificamente, no gesto contestatório de determinação de limites realizado nesta Crítica. Em um dos cenários, que mais tarde seria detalhado em As palavras e as coisas, e já bastante visitado por seus leitores, Foucault problematiza os desdobramentos deste gesto, transgressão que inaugura a épistémè moderna: o Homem e sua finitude. No outro cenário, objeto deste artigo, Foucault analisa como este gesto poderia ser delineado: como poderia ser possível uma transgressão desta finitude. Nosso principal objetivo é problematizar a linguagem desta transgressão e propor um caminho à finitude transgredida.

Palavras-chave


Sexualidade; Finitude; Erotismo; Linguagem dialética; Sujeito; Prazer.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v41i0.8505

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: