MÚSICA E LINGUAGEM EM ADORNO

Fernando R. de Moraes Barros

Resumo


Trata-se, no presente artigo, de tentar lançar uma nova luz sobre a relação entre música e linguagem a partir dos Escritos musicais de Th. W. Adorno e, em especial, a partir do “Fragmentosobre música e linguagem”, que abre a coletânea Quasi una fantasia (1963). Levando em conta a singularidade da compreensão adorniana acerca do desenvolvimento do moderno material musical, esperamos, ademais, levantar uma hipótese de interpretação aparentemente estranha à cautela crítica de Adorno frente à confluência impensada entre a música e outros regimes artísticos – por ele denominada, na Filosofia da nova música (1949), “pseudomorfose” -, contextualizando, com isso, o tom radical das apreciações condenatórias a esse respeito. Para tanto, iremos igualmente nos valer de suas considerações acerca do assim chamado impressionismo musical e, em particular, de uma canção de Debussy.

Palavras-chave


Música; linguagem; pseudomorfose; impressionismo musical; Debussy.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v41i0.8508

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: