FOUCAULT E O NASCIMENTO DO DISCURSO: O ENUNCIADO E O PODER

Tomás Prado

Resumo


O artigo investiga uma ruptura no pensamento de Foucault e explicita as suas principais referências. Buscamos demonstrar que há dois entendimentos do conceito de arqueologia. O prisma de análise é a linguagem e, para compreendê-la, nos referimos às relações de Foucault com duas tradições, representadas por Heidegger e Wittgenstein. O trabalho investiga também de que forma o segundo campo da arqueologia, no qual as práticas discursivas tomam o lugar da experiência alegórica com a linguagem, ao privilegiar as descontinuidades no lugar da institucionalização dos seus usos correntes, significa uma elaboração original, onde encontramos a trama da linguagem, mais precisamente das práticas discursivas, com o poder.


Palavras-chave


Foucault; linguagem; discurso; enunciado; poder.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v40i0.8537

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: