SUR L’ASPECT INFÉRENCIEL DE LA LOGIQUE DES DIALOGUES INTELLIGENTS

Ricardo Sousa Silvestre

Resumo


O objetivo geral deste artigo é o de fazer algumas considerações teoréticas sobre o aspecto inferencial da Lógica dos Diálogos Inteligentes (LDI) dentro do quadro conceitual fornecido pelas lógicas do senso comum desenvolvidas dentro da Inteligência Artificial. Mais especificamente, tentarei mostrar aqui que, para bem cumprir o seu papel, a LDI deve possuir uma maneira de representar as inferências não-monotônicas. Como argumento principal, defenderei a tese de que a não-monotonicidade é uma característica intrínseca à compreensão e uso da linguagem. O principal fenômeno relacionado com a linguagem natural utilizado como evidência para essa tese será o fenômeno do uso não literal da linguagem.

Palavras-chave


Lógica dos diálogos inteligentes; raciocínio não-monotônico; uso não literal da linguagem.

Texto completo:

PDF (Français (France))


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v30i0.8801

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: