Esoterismo e filosofia política na obra de L. Strauss.

Richard Romeiro Oliveira

Resumo


O presente artigo pretende abordar a questão das relações essencialmente conflituosas  entre filosofia e sociedade na obra de Leo Strauss, buscando mostrar de que maneira, segundo esse autor, o conflito mencionado torna a atividade filosófica uma atividade politicamente problemática e perigosa, o que obriga o filósofo,  num contexto de perseguição, a lançar mão de uma técnica literária específica – a escrita esotérica –, no intuito de ocultar a problematicidade política da filosofia, apresentar uma versão moralmente edulcorada de sua atividade e dirimir, assim, o seu antagonismo em relação à ordem social vigente. O artigo procurará também, a partir disso, explicitar como, na óptica straussiana, o uso da escrita esotérica como procedimento destinado a apaziguar o conflito entre filosofia e sociedade se confunde, originalmente, com a própria filosofia política, entendida como “apresentação política da filosofia”.  


Palavras-chave


Filosofia política; Esoterismo; Sociedade; Lei divina; Strauss.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/dissertatio.v46i0.9829

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




________________________________________________________________________

DISSERTATIO Revista de Filosofia

Universidade Federal de Pelotas - UFPel | Instituto de Filosofia, Sociologia e Política

Departamento de Filosofia | Programa de Pós-Graduação em Filosofia

Caixa Postal 354 | CEP 96001-970 | Pelotas, RS | Brasil


FILOSOFIA/TEOLOGIA: subcomissão FILOSOFIA

Licença Creative Commons
Revista licenciada pela Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. Com esta licença os leitores podem copiar e compartilhar o conteúdo dos artigos em qualquer meio ou formato, desde que o autor seja devidamente citado.


Indexadores:

      

Diretórios:

    

Associações: