"A cidade é sem fim igual a tua janela”: intervenções, afetos urbanos e deambulações em Fortaleza/CE

Lara Denise OLiveira Silva, Glória Maria dos Santos Diógenes

Resumo


O artigo se propõe a compartilharum processo de pesquisa que tem como aposta as relações com a cidade, vivenciadas pelos citadinos, e que ultrapassam a materialidade e convocam a debater a dimensão dos afetos e da emoção no contexto das urbes. Tendo como eixo norteador asintervenções de arte urbana riscadas, coladas em lambe-lambe ou gravadas com tinta spray que povoam muros, paredes e outras superfícies de Fortaleza, capital do Ceará situada na região Nordeste, percorre-se trilhas metodológicasem busca de compreender como as enunciações íntimas (SENNETT,1998) expressam-se na esfera pública por meio destas inscrições. A partir de caminhadas (CERTEAU, 1994), recortadasnostrajetos cotidianosdas pesquisadoras e incorporadas como dispositivo metodológico, o encontro com estas imagens suscitou uma experiência (BENJAMIN, 2004) de cidade. Seguindo pistas por meio de uma observação flutuante (PÉTONNET, 2008), e dos mapas imaginários desenhados,em particular pelos rastros das pixaçõesdeixo e desejo, buscou-se descrever como estasastúcias (CERTEAU, 1994) e contra-usos (LEITE, 2007)disputam narrativas com os discursos oficiais que recaem sob a cidade.

 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15210/tes.v7i2.16116

 

TESSITURAS | Revista de Antropologia e Arqueologia

Programa de Pós-Graduação em Antropologia  | Universidade Federal de Pelotas

 

Indexadores: