ANÁLISE CRÍTICA DOS EMPREENDEDORES SOCIAIS NO BRASIL: UM REFERENCIAL TEÓRICO-METODOLÓGICO

Alexandre Barbalho, Carolina do Vale Uchoa

Resumo


O empreendedorismo social, definido como a atividade de agentes que desenvolvem e disponibilizam no mercado produtos e/ou serviços inovadores que prometem minimizar ou solucionar um problema social, tem assumido importância crescente no Brasil. Neste artigo, apresentamos um roteiro de pesquisa para investigação desse campo. Expomos como se deu a construção metodológica e as escolhas conceituais, com o objetivo de contribuir para análises que envolvem a ampliação dos domínios do management e da gestão empresarial privada para a esfera da ação pública e da organização da sociedade civil. A pesquisa elegeu como locus empírico as “organizações de apoio ao empreendedorismo social” Endeavor Brasil, Artemisia e Ashoka Brasil e um dos maiores eventos de inovação social do país, o Festival Social Good Brasil. A base teórico-metodológica estabeleceu um diálogo entre a Análise Crítica do Discurso e a Sociologia Pragmática Francesa. Por meio do percurso investigativo foi possível contribuir com a compreensão do fenômeno que se apresenta como opção profissional; como modelo de conduta empresarial; e como solução de problemas sociais.


Texto completo:

PDF

Referências


BARTHE, Yannick et al. Sociologia pragmática: Guia do usuário. Sociologias, Porto Alegre, ano 18, nº 41, p. 84-129, jan-abril 2016. Disponível em: Acesso em: 22 maio 2017.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo, Perspectiva, 2011.

_____. Espaço social e poder simbólico. In: BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990, p. 149-168.

BREVIGLIERI, Marc; STAVO-DEBAUGE, Joan. Le geste pragmatique de la sociologie française. Autour des travaux de Luc Boltanski et Laurent Thévenot. Antropolítica: Revista Contemporânea de Antropologia e Ciência Política. Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Ciência Política da Universidade Federal Fluminense. Niterói, Volume 7, Segundo Semestre, pp. 7-22.

CASAQUI, Vander. Esboços e projetos da sociedade empreendedora: mundo conexionista, sociabilidade e consumo. Revista Famecos, v. 23, nº 3, set-dez 2016a. Disponível em:

Acesso em: 22 maio 2017.

_____. A transformação social nos discursos da cena empreendedora social brasileira: processos comunicacionais e regimes de convocação na mídia digital. Universitas Humanística, Bogotá, nº 81, p. 205-226, jan-jun 2016b. Disponível em: Acesso em: 22 maio 2017.

_____. A construção do papel do empreendedor social: mundos possíveis, discurso e o espírito do capitalismo. Galáxia (Online), São Paulo, v. 14,

p. 44-56, 2015. Disponível em: Acesso em: 22 maio 2017.

CHIAPELLO, Ève; FAIRCLOUGH, Norman. Understanding the new management ideology: a transdisciplinary contribution from critical discourse analysis and new sociology of capitalism. Discourse & Society. Vol. 13, pp. 185-208, 2002.Disponível em: Acesso em: 22 maio 2017.

CORRÊA, Diogo Silva; DIAS, Rodrigo de Castro. Crítica e os momentos críticos: De la justification e a guinada pragmática na sociologia francesa. Mana, Rio de Janeiro, v.22, n. 1, p. 67-99, abril 2016. Disponível em: Acesso em: 22 maio 2017.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo. Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

FEATHERSTONE, Mike. Cultura de consumo e pós-modernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. Livro I. Tomo 2. São Paulo: Nova Fronteira, 1996.

MILLS, C. Wright. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1969.

_____. Situated actions and vocabulaires of motive. The Society for Social Research. University of Chicago. August 1940. Disponível em: Acesso em: 22 maio 2017.

PIERUCCI, Antônio Flávio. Apresentação. In: WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SINATO, Angelina. Os discursos globalizados do empreendedorismo social: narrativas heroicas, mundos possíveis e consumo simbólico. Dissertação (mestrado). Escola Superior de Propaganda e Marketing, Programa de Pós- Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo, São Paulo, 2016.

UCHOA, Carolina do Vale. A construção discursiva do empreendedorismo social: crítica e justificação no novo espírito do capitalismo. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Fortaleza, 2017.

WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.




DOI: https://doi.org/10.15210/norus.v7i11.17058

Direitos autorais 2019 Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2318-1966 

Indexadores nacionais: Sumários.orgDiadorimGoogle Scholar

Indexadores internacionais: Bibliothek Universitat Hamburg;Citeulike; DOAJLatindex; Mendeley; REDIB; Research Gate; ROAD; WorldCat

 

Apoio: