A CIÊNCIA MODERNA E SUA CONSOLIDAÇÃO: É POSSÍVEL FALAR EM CRISE SOCIAL E EPISTEMOLÓGICA?

Gabriel Bandeira Coelho

Resumo


Este trabalho tem como objetivo apresentar as nodais características da Ciência Moderna, desde a sua emergência inclusive aquilo que tem sido cunhado como esgotamento e até mesmo “crise” da modernidade. Para tanto, destacamos aqueles que consideramos os proeminentes pensadores modernos, sobretudo René Descartes, cujo método cartesiano tem sido base epistemológica do conhecimento científico moderno. Ademais, mostramos aspectos sociais e teóricos que destacam o processo de consolidação da Ciência Moderna, principalmente no decorrer do século XIX, bem como elementos que nos ajudam a identificar possíveis sinais de falta de fôlego dos pressupostos modernos para explicar o mundo fenomênico contemporâneo. 

Palavras-chave: Interdisciplinariedade; Ciência; Disciplinariedade; Complexidade.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.15210/norus.v4i5.6768

Direitos autorais 2016 Autor e Revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN: 2318-1966 

Indexadores nacionais: Sumários.orgDiadorimGoogle Scholar

Indexadores internacionais: Bibliothek Universitat Hamburg;Citeulike; DOAJLatindex; Mendeley; REDIB; Research Gate; ROAD; WorldCat

 

Apoio: