A INVENÇÃO DA HETERONORMATIVIDADE: UM ROMANCE AUTOBIOGRÁFICO

Rosana Cristina Zanelatto Santos

Resumo


A naturalização da heterossexualidade via heteronormatividade alimenta uma lógica de desumanização do sujeito, por meio de um processo que se inicia pelo corpo, estendendo-se pela linguagem e pelas relações de gênero, sociais, políticas e culturais, o que torna nua a identidade desse sujeito. Ele passa então a ser (re)conhecido por sua existência física/material e não por aquilo que ele quer ser e por aquilo que ele quer que o mundo compreenda nele/dele. Propõe-se a possibilidade de compreensão da heteronormatividade como uma invenção retórica que contribui significativamente para a encenação e a fixação de uma aparência de naturalização, de centralidade e de necessidade acerca das diferenças de gênero, tendo como reforço ações como a transfobia e a homofobia. Para dialogar com essa possibilidade, elegeu-se o romance autobiográfico de João W. Nery (2011) Viagem solitária: memórias de um transexual trinta anos depois.

Palavras-chave:  Heteronormatividade; invenção; retórica; literatura brasileira contemporânea.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15210/cdl.v0i34.16891



Caderno de Letras integra a rede LATINOAMERICANA - Asociación de Revistas Literarias y Culturales 

__________________________________________________________________ 

A Caderno de Letras está indexada nas seguintes bases: