TECENDO OLHARES: NARRATIVAS ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR

Palavras-chave: Coensino. Formação Docente Inicial e Continuada. Educação Inclusiva.

Resumo

O projeto que embasa o presente texto tem como objetivo compartilhar e produzir conhecimento voltado à formação inicial e continuada sobre a prática docente na perspectiva do coensino. Trata-se de uma atividade de extensão e de pesquisa, que ascende a formação de professores fundada na relação com a práxis, contextualizada e dialógica, que articula saberes científicos, pedagógicos e da experiência na perspectiva colaborativa, ou seja, do coensino. Sustentado pelo aporte teórico-metodológico da Teoria Crítica, trazemos à cena narrativas docentes e discentes na perspectiva benjaminiana, em sua relação íntima com o conceito de experiência. Desta forma, mobilizamos memórias, partilhamos histórias, tecemos olhares e costuramos elos de identificação entre os/as participantes, professores da rede municipal e estadual, e graduandos do curso de Pedagogia da FEUFF. Entre as ações desenvolvidas,  destacamos o mural virtual criado no padlet, cuja proposta foi a de resgatar as memórias da experiência com a inclusão, em um exercício de autorreflexão e reflexão coletiva, tais registros configuram dados relevantes para compreendermos as implicações que perpassam o processo de inclusão escolar. Como resultados verificamos a importância do enlace entre as experiências na/da docência com as experiências discentes, construindo um espaço-tempo de estudos e de alargamento das práticas pedagógicas inclusivas,  estabelecendo um potente caminho para fazer frente aos muitos desafios da escola contemporânea. Além disso, através das experiências tecidas no mural virtual é possível compreender os desafios que emergem no/do processo da inclusão escolar. 

Biografia do Autor

Erika Souza Leme, Universidade Federal Fluminense- UFF
Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF - Niterói - RJ), responsável pela disciplina Educação Especial I. Licenciada em Letras (UNORP,1997); Especialista em Linguística (UNESP, 2000); Mestre em Educação (UFRJ, 2011), Pedagoga (UFRJ, 2012). Doutora em Educação (UFF, 2017). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas LAIFE - Laboratório de Inclusão, Formação Cultural e Educação. Coordenadora dos Projetos de Extensão Formação Cultural e Educação Inclusiva: ampliando horizontes e diminuindo barreiras; e Educação Inclusiva na perspectiva do coensino: da teoria à prática. Integrante do OIIIIPeUFF - Observatório Internacional de Inclusão, Interculturalidade e Inovação Pedagógica. Integrante também da Comissão Editorial da Revista Aleph Online (UFF). Educação Especial, Inclusão em Educação, Formação Docente e Direitos Humanos são alguns de seus temas de interess
Luiza Basílio Ricardo, Universidade Federal Fluminense
Acadêmica do 8o período de Pedagogia da Universidade Federal Fluminense - FEUFF/Niterói. Bolsista do Projeto de Extensão - Educação Inclusiva: preconceito, formação cultural e experiência (PROEX) 

Referências

ADORNO, Theodor W. Educação e Emancipação. 5a reimpressão. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. In. Obras escolhidas III. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Tradução de José Carlos Martins Barbosa).

BRASIL, Ministério da Educação. Manual de orientação: programa de implantação das salas de recursos multifuncionais. Brasília, DF. 2010.

CONDERMAN, G.; BRESNAHAN, V.; PEDERSEN, T. Purposeful co-teaching: real cases and effectives strategies. Corwin Press: Thousand Oaks, California. 2009.

CORRÊA Conceil; RIBEIRO Nye. A Colcha De Retalhos. 3ª edição. Editora do Brasil, 2010.

COSTA, V. A. Políticas públicas de educação: demandas e desafios à inclusão na escola pública. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A. (Org.) A Pesquisa sobre Inclusão Escolar em suas Múltiplas Dimensões: Teoria, Política e Formação. Marília: ABPEE, 2012. v 1, p. 107-125.

FREIRE, P. A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. In.: Revista Brasileira da Educação. Nº 19, Jan/Fev/Mar/Abr, Rio de Janeiro: ANPED, 2002.

MENDES, Enicéia Gonçalves; VILARONGA, Carla Ariela Rios; ZERBATO, Ana Paula. Ensino colaborativo como apoio à inclusão escolar: unindo esforços entre educação comum e especial. São Carlos, SP: Ufscar, 2014

SASSAKI, R. A Educação Inclusiva e os obstáculos a serem transpostos . Jornal dos Professores - órgão do Centro do Professorado Paulista. Ano XXXVIII - fevereiro de 2003 - no 343, p. 15. Disponível em: https://doczz.com.br/doc/97322/a-educacao-inclusiva-e-os-obstaculos-a-serem-transpostos. Acesso em: 20 jan. 2021

STAINBACK, Suzan; STAINBACK, William. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artmed Editora, 1999.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais, 1994. In: MACHADO, Adriana Marcondes (et al.) Psicologia e direitos humanos: educação inclusiva, direitos humanos na escola. São Paulo: Casa do Psicólogo: Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia, 2005. p.125- 155.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas. Madri, Visor/Ministerio de Educación y Ciência, vol. III, 1995.

VILARONGA, C. A. R; MENDES, E. G. Formação de professores como estratégia para realização do coensino. Revista Diálogos e Perspectivas em Educação Especial, v.4, n. 1, p. 19-32, 2017 - Edição Especial.

WOOD, M. Whose Job is it Anyway? Educational roles in Inclusion. Exceptional Children, vol. 64, no.2, p. 181-195, 1998.

Publicado
2021-04-30