UMA PROPOSTA ETNOARQUEOLÓGICA SOBRE A CONCEPÇÃO DO TERRITÓRIO: OS MBYA GUARANI E O TEKOA PINDOTY

  • Sabrina de Assis Andrade (UFPR) Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Mbya Guarani, Tekoa Pindoty, Território, Terra Indígena

Resumo

Resumo: Os grupos indígenas Mbya Guarani possuem um discurso que privilegia seus territórios como sendo lugares compostos de uma série de elementos físicos, econômicos e simbólicos, previamente preparados para que possam viver de acordo com o que prevê sua cultura e tradição. O Tekoa Pindoty, nome indígena dado a Terra Indígena Ilha da Cotinga, formado pelas Ilhas Cotinga e Rasa da Cotinga, no litoral do Estado do Paraná é um dos lugares que possuem estas características. Segundo os Mbya, a escolha deste território se deu pela presença de vestígios de seus ancestrais e pela confirmação de Nhanderu (Deus verdadeiro) que ali poderiam viver conforme seus ensinamentos. Desta forma, este artigo busca demonstrar uma discussão sobre o processo de ocupação recente Mbya Guarani no Tekoa Pindoty, como eles atribuem este território como um local ideal para que possam viver de acordo com os preceitos estabelecidos por Nhanderu, e como se dá a relação entre teko e nhandereko, que juntos dão vida ao tekoa. Outra questão abordada é quanto a relação cosmológicas dos Mbya com o ambiente próximo ao mar, e como as ilhas Cotinga e Rasa da Cotinga estão presentes na memória indígena. Por fim, serão apresentados alguns conceitos do uso do espaço guarani, de acordo com a dissertação de Francisco Noelli (1993) e a correspondência desses conceitos de acordo com os Mbya Guarani contemporâneos.Abstract: Mbya Guarani indigenous groups have a discourse that privileges their territories as places composed of a series of physical, economic and symbolic elements, previously prepared for them to live according to what predicts their culture and tradition. The Tekoa Pindoty, the indigenous name given to Indigenous Cotinga Island, formed by Islands Cotinga and Rasa Cotinga Island, off the coast of Paraná is one of the places that have these characteristics. According to Mbya, the choice of this area was given by the presence of traces of their ancestors and by the confirmations of Nhanderu (true God) that they could live according to his teachings in this place. Thus, this article seeks to demonstrate a discussion of the process of the recent occupation Mbya Guarani in the Tekoa Pindoty, as they attribute the area as an ideal place for them to live according to the precepts established by Nhanderu, and how is the relationship between teko and nhandereko, which together give life to tekoa. Another question discussed is how much of Mbya cosmological relationship with the environment near the ocean, and how the islands Cotinga and Rasa Cotinga Island and are present in the native memory. Finally, some concepts related to the use of space by Guarani prehistoric and historic groups, and their correspondence in accordance with contemporary Mbya Guarani will be presented.

Biografia do Autor

Sabrina de Assis Andrade, (UFPR) Universidade Federal do Paraná
Mestre em Antropologia Social com dissertação em Arqueologia pela UFPR - Universidade Federal do Paraná. Especialista em Gestão Ambiental e graduada em Turismo e Meio Ambiente pela Unespar - Universidade Estadual do Paraná

Referências

ANDRADE, S. A. Etnoarqueologia Mbya Guarani no Tekoa Pindoty (Ilha da Cotinga) litoral do Estado do Paraná. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013.

BONAMIGO, Z.M. A Economia dos Mbya-Guarani: trocas entre homens e entre deuses e homens na Ilha da Cotinga, em Paranaguá – PR, Curitiba: Imprensa Oficial, 2009.

CARLE, C. B. Identidade M’bya Guarani na memória das fronteiras e do patrimônio. Revista Sapiens – História, Patrimônio e Arqueologia, 2011.

CLASTRES, H. Terra sem mal, profetismo tupi-guarani. São Paulo: Brasiliense, 1978.

CLASTRES, P. A sociedade contra o estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1974.

CLASTRES, P. A fala sagrada: mitos e cantos sagrados dos índios Guarani. Campinas: Papirus, 1990.

GALLOIS, D. T. Terras ocupadas? Territórios? Territorialidades Terras Indígenas e Unidades de Conservação da Natureza. 2004. Disponível em<http://pib.socioambiental.org/files/file/PIB_institucional/dgalloi 1.pdf>. Acesso em: 22

GARLET I., ASSIS V. Desterritorialização e Reterritorialização: a compreensão do território e da mobilidade Mbyá-Guarani através das fontes históricas. Dourados, MS: Fronteiras, v. 11, n. 19, p. 15-46, jan./jun. 2009.

LADEIRA, M. I. YY PAU ou YVA PAU espaço mbya entre as águas ou o caminho aos céus: os Índios Guarani e as Ilhas do Paraná. São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista, 1990.

O caminhar sob a luz: território Mbya a beira do oceano. São Paulo: UNESP, 2007.

Espaço geográfico Guarani-Mbya: significado, constituição e uso. Maringá: Eduem; São Paulo: Edusp, 2008.

MILHEIRA, R. G. Arqueologia guarani no litoral sul-catarinense: história e território. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

NOELLI, F. S. Sem tekohá não há teko (em busca de um modelo etnoarqueológico da aldeia e da subsistência Guarani e sua aplicação em uma área de domínio no delta do rio Jacuí-RS. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegra, 1993.

As hipóteses sobre o centro de origem e rotas de expansão dos Tupi. Revista de Antropologia, n. 39, p. 7-53, 1996.

PISSOLATO, E. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo mbya (guarani). São Paulo: Editora Unesp: ISA; Rio de Janeiro: NuTI, 2007.

SILVA, F. A. A etnoarqueologia na Amazônia: contribuições e perspectivas. Scielo: Belém, v. 4, n. 1, p. 27-37, jan.-abr. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S1981-81222009000100004&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 15

SOARES, A. L. Guarani. Organização social e arqueologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

TAPAJÓS ARAÚJO, M. A. Condicionantes para demarcação de territórios indígenas: a postura judicial do Estado brasileiro na afirmação dos direitos territoriais indígenas. II Encontro da Sociedade Brasileira de Sociologia da Região Norte. Belém, 2010.

Publicado
2014-03-14
Seção
Artigos