Um urbano pra lá de rural: as particularidades políticas, históricas e culturais que transformaram Campo Grande de arraial a capital

Daniel Attianesi, Guilherme Rodrigues Passamani

Resumo


A ideia do artigo proposto aqui está no questionamento sobre a possibilidade da cidade de Campo Grande se adequar aos moldes clássicos do pensado pela antropologia urbana. Ao pensar sobre a cidade de Campo Grande, estamos pensando em nexos constitutivos da própria realidade de diversas cidades brasileiras e do próprio Estado do Mato Grosso do Sul, cuja capital política e administrativa possui como sede o município de Campo Grande. Município esse que possuía uma população de 49.629 mil habitantes em 1940, que em 1970 já possuía 140.233 mil habitantes e nos últimos anos conta com uma população de 863.982 mil residentes, um crescimento de aproximadamente 1640% em 75 anos. Este artigo realizará uma análise da história de Campo Grande de forma a pensar a questão da relação entre rural e urbano. Para isso focaremos a partir da visão dos primeiros pensadores sociais, que pensavam a relação entra a vida na cidade e a vida no campo, autores como Weber, Simmel, Park, Wirth. Dessa forma, buscamos três momentos específicos dessa história: o primeiro sendo a formação de uma identidade cultural sul-mato-grossense entre os anos de 1932 a 1934, o segundo será pensar o momento de urbanização da cidade nos anos de 1960-1970 e o último iremos pensar a relação que a cidade possui atualmente com seus habitantes.

 

Abstract: The idea of the proposed article is in questioning the possibility that the City of Campo Grande fits the classic models proposed by urban anthropology. When thinking about the City of Campo Grande, we are thinking in constitutive links with the reality of many Brazilian cities and with the very State of Mato Grosso do Sul, whose political and administrative capital is based in the City of Campo Grande. This city had a population of 49,629 in 1940, which in 1970 was already 140,233 and recent years count showed a population of 863,982 -- an increase of approximately 1640% in 75 years. This paper will analyze the history of Campo Grande in order to think about the relationship between rural and urban. For this, we will focus on the vision of the first social thinkers, who sought to think the relationship between life in the city and life in the countryside, authors like Weber, Simmel, Park, and Wirth. In this way, we look for three specific moments of this history: the first one being the formation of a cultural identity of the people of Mato Grosso do Sul from 1932 to 1934, the second is to think about the moment of the city’s urbanization in the years 1960-1970 and the latter we’ll think about the relationship that the city currently has with its inhabitants.


Palavras-chave


Campo Grande; Cidade; Mato Grosso do Sul; Antropologia Urbana

Texto completo:

PDF

Referências


AMARILHA, Carlos Magno Mieres. Os intelectuais e o poder: história, divisionismo e identidade em mato grosso do sul. 2006. 237f. Dissertação (Mestrado) – Curso de História da faculdade de ciências humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2006.

BASSO, Jussara Maria. Investigação de fatores que afetam o desempenho e apropriação de espaços abertos públicos: o caso de Campo Grande – MS. 2001. 227 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) – Faculdade de Arquitetura – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

BECKER, Howard. Conferência; A Escola de Chicago. In Mana; Estudos de Antropologia Social, Rio de Janeiro. PPGAS-MN_UFRJ. 1996. pp 177-188

BITTAR, Marisa. Mato Grosso do Sul: do estado sonhado ao estado construído (1892- 1997). 2v. Tese (Doutorado em História Social) – FFLCH/USP, São Paulo, 1997.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: Crime, Segregação e cidadania em São Paulo. Tradução de Frank de Oliveira e Henrique Monteiro. São Paulo: Ed.34/Edusp. 2000.

COSTA, Celso. Evolução urbana. In: CUNHA, Francisco Antônio Maia da (Coord.). Campo Grande: 100 anos de construção. Campo Grande: Matriz, 1999.

FELTRAN, Gabriel de Santis. Fronteiras de tensão: política e violência nas periferias de São Paulo. São Paulo: Editora Unesp, 2011. 376 pp.

FIBGE; SDDI/MS. Evolução da população, por situação de domicílio, segundo os Censos de 1940, 1950,1960, 1970, 1980 e 1991; contagem da população 1996 e Censo 2000. Op. cit., p. 5.

_________. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE, 1958, v. 35. (Mato Grosso).

KUREDA, Vladimir e PASSAMANI, Guilherme. Espacialidade, comércio e degradação. Um olhar etnográfico sobre a antiga rodoviária de Campo Grande-MS. Ponto Urbe [Online], 21 | 2017. Disponível em http://journals.openedition.org/pontourbe/3524.

LOBATO, Monteiro. De São Paulo a Cuiabá. In: ______. Mundo da lua e miscelânea. São Paulo: Brasiliense, 1940, v. 10, p. 245.

MORO, Nataniél Dal. Capital Econômica de Mato Grosso (Década de 1950). In: Anais do 3° Encontro de Iniciação Científica e 3° Fórum de Pesquisa. Umuarama: UNIPAR, p. 31-32, 2004.

MORO, Nataniél Dal. Modernização Urbano-Citadina e Representações sobre os trabalhadores na cidade de campo grande (Décadas de 1960-70).2007.357 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Programa de Estudos Pós-Graduados em História Social – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

MSPONTOCOM. Agronegócio domina exportações em Mato Grosso do Sul em 2016. Disponível em: < http://mspontocom.com.br/site/agronegocio-domina-exportacoes-em-mato-grosso-do-sul-em-2016/>. Acesso em: 05 ago. 2017.

OLIVEIRA NETO, Antônio Firmino de. A rua e a cidade: Campo Grande e a 14 de julho. Campo Grande: UFMS, 2005.

OLIVEIRA, Benícia Couto de. A política de colonização do Estado Novo em Mato Grosso (1937-1945). 1999. 255 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências e Letras – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Campus de Assis), Assis, 1999.

OLIVEN, Ruben George. Por uma antropologia em Cidades Brasileiras. In: VELHO, O. G. (Org.). O Desafio da Cidade. Rio de Janeiro: Editora Campus LTDA, 1980.

PARK, Robert Ezra. A Cidade: Sugestões para a investigação do comportamento Humano no Meio Urbano. In: VELHO, O. G. (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

PAIVA, Luiz Fábio S. Contingências da violência em um território estigmatizado. Campinas: Pontes, 2014.

QUEIROZ, Paulo Roberto Cimó. Divisionismo e “identidade” mato-grossense e sul-mato-grossense: Um breve ensaio. CPDO-UFMS, maio de 2005. 25 p.

SANDOVAL, Fernanda; MARQUES, Marcelle; MESTRE; Rafael; OLIVEIRA, Talita. Cidadania tem limites. Projétil, Campo Grande, p.3-8, N° 87 – Ano 27 – abr,mai,junh,2017.

SENNETT, Richard. A Corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Trad. Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SIMMEL, Louis. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, O. G. (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

WEBER, Max. Conceito e categorias de cidade. In: VELHO, Gilberto (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1973, pp 73-96.

WEINGÄRTNER, Alisolete Antonia dos Santos. Mato Grosso do Sul: Histórico. Disponível em: < http://www.campogrande.ms.gov.br/arca/artigos/apresentacao-2/>. Acesso em: 12 agosto 2017.

WEINGARTNER, Gutemberg. A construção de um sistema: Os espaços livres públicos de recreação e de conservação em Campo Grande, MS. 2008. 192 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade Arquitetura e Urbanismo – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

WIRTH, Louis. O urbanismo como modo de vida In: VELHO, O. G. (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/lepaarq.v15i30.13228

 
Contador de visitas