Epistemologias dissidentes e trajetórias escolares de mulheres ciganas no Brasil: o fracasso como insistência do sistema de ensino.

Cláudia Valéria Fonseca da Costa Santamarina

Resumo


Este artigo resulta de pesquisa de abordagem etnográfica com mulheres ciganas, realizada entre 2013 e 2015, em Rio das Ostras no estado do Rio de Janeiro e reflete sobre o fracasso escolar de mulheres ciganas no Brasil como aspecto intrínseco ao racismo epistemológico e à política educacional homogeneizante, centrada em conteúdo destinado a atender às demandas do colonialismo e da colonialidade do poder. Problematiza os modelos da pedagogia tradicional, pedagogia nova e pedagogia tecnicista incapazes de romper com um sistema monocultural, epistemologicamente excludente e racista, ressaltando seus efeitos na formação de professores, nas bases curriculares e nos métodos de ensino desde a implantação da Educação no Brasil. Analisa o pensamento liminar como meio de promover transversalidades epistemológicas, refletindo sobre a adoção de uma posição epistemológica fronteiriça entre formadores como recurso à superação do fracasso escolar em comunidades alicerçadas em epistemologias dissidentes.

 

Abstract: This article is the result of an ethnographic approach with Roma women conducted between 2013 and 2015 in Rio das Ostras, in the state of Rio de Janeiro. It reflects on the school failure of Roma women in Brazil as an intrinsic aspect of epistemological racism and homogenizing educational policy, centered on content designed to meet the demands of colonialism and the coloniality of power. From the models of traditional pedagogy, new pedagogy and technical pedagogy, incapable of breaking with a monocultural, epistemologically excluding and racist system, emphasizes its effects on teachers training, curriculum bases and teaching methods since the implementation of Education in Brazil. Analyzes the liminal thought in perspective of promoting epistemological transversities, reflecting on the adoption of a frontier epistemological position among formators as a tool for overcoming school failure in communities based on dissident epistemologies.


Palavras-chave


Fracasso escolar, Educação de mulheres ciganas, Racismo epistemológico, Políticas públicas, Epistemologia Fronteiriça

Texto completo:

PDF

Referências


ANZALDÚA, Glória. Borderlands/La Frontera: The New Mestiza. San Francisco: Aunt Lute Books, 1987.

AZEVEDO, Amailton Magno. Qual África Ensinar No Brasil? Tendências e perspectivas. Projeto História, n. 56, p. 233-255, 2016.

BHABHA, Homi K. O Local da Cultura. Tradução Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. 1ª edição. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BRAIDOTTI, Rosi. Sujetos Nômades: Corporización y diferencia sexual em la teoria feminista contemporánea. Tradução Alcira Bixio. 1ª edição. Buenos Aires: Paidós, 2000.

BRAIDOTTI, Rosi. Diferença, Diversidade e Subjetividade Nômade. Labrys Estudos Feministas, Florianópolis: Instituto de Estudos de Gênero, n. 1-2, pp. 01-16, 2002.

BRAIDOTTI, Rosi. Las Figuraciones del Nomadismo. In: Braidotti, R e Pfeiffer, A.

Feminismo, Diferencia Sexual y Subjetividad Nómade. Barcelona: Gedisa, 2004.

BRASIL. Relatório Executivo da I Semana Nacional dos Povos Ciganos. Distrito Federal: SEPPIR, 2013. Disponível em: . Acessado em: 10 jul 2015.

BRASIL. LEI Nº 5.692, DE 11 DE AGOSTO DE 1971. DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO. Seção 1 - 12/8/1971, Página 6377. Disponível em: . 1971. Acessado em: 23 mai 2018.

BREGAGNOLI, Marcelo; SILVA, Giovane J. da; SOARES, Joaerle M. A Educação Profissional Frente à Democratização da Educação No Brasil Contemporâneo. In: SANFELICE, José Luís; SIQUELLI, Sônia Aparecida (Orgs.). Desafios à Democratização da Educação no Brasil Contemporâneo. 1ª Edição Eletrônica. Uberlândia: Navegando Publicações. Disponível em: . 2016. Acessado em: 06 jun 2018.

D’ÁVILA, Maria Inácia; SANTAMARINA, Cláudia. Uma Reflexão sobre o Hibridismo Cultural e o Processo Identitário de Ciganas Calins Nômades no rio de Janeiro. Revista Interdisciplinar Interthesis, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, v. 12, n.1, pp. 228-247, 2015.

DELEUZE, Gilles. O Pensamento Nômade. In: DELEUZE, Gilles. A ilha deserta: e outros textos. Tradução Luiz B. L. Orlandi. 1ª Edição. São Paulo: Iluminuras, 2006.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação - uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 1ª Edição. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979.

GROSFOGUEL, Ramon. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra: Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, n. 80, p. 115-147, 2008.

HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão de ciência para os feminismos e o privilégio da perspective parcial. Cadernos Pagu, São Paulo: Unicamp, n. 5, p. 07-41, 1995.

MAYALL, David. Gypsy Identities 1500-2000: From Egipcyans and Moon-men to the Ethnic Romany. 2ª Edição. New York: Routledge, 2009.

MIGNOLO, Walter. Histórias Locais/Projetos Globais: Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução Solange Ribeiro de Oliveira. 1ª Edição. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

MÓNICO, Lisete s.; ALFERES, Valentim, R.; CASTRO, Paulo A.; PARREIRA, Pedro M. A Observação Participante enquanto metodologia de investigação qualitativa. Atas CIAIQ2017 >>Investigação Qualitativa em Ciências Sociais//Investigación Cualitativa en Ciencias Sociales//Volume 3. Pp. 724-733. Disponível em: . 2017. Acessado em: dez. 2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Revista Novos Rumos, São Paulo: UNESP, n. 37, pp. 04-28, 2002.

RUSSEL, Bertrand. Elogio ao Ócio. Tradução Pedro Jorgensen Júnior. 2ª edição. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 7ª Edição. Porto: Afrontamento,1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um Discurso sobre as Ciências. 11ª Edição. Porto: Afrontamento, 1999.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estudos - CEBRAP, São Paulo, n. 79, p. 71-94. Disponível em: . 2007. Acessado em: 10 Jan 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Gramática do Tempo: Para uma nova cultura política. 3ª Edição. São Paulo: Cortez, 2010. 511 p.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/lepaarq.v16i31.14948

 
Contador de visitas