OS PIONEIROS E SEU LEGADO NA CONSTRUÇÃO DA ARQUEOLOGIA DO MARANHÃO

Arkley Marques Bandeira

Resumo


Resumo: Este artigo aborda a história da arqueologia do Maranhão e o papel dos pioneiros na construção do conhecimento sobre o passado. Para tanto, serão abordados dois momentos que caracterizaram a trajetória da disciplina: o Período Descritivo (séculos XVII a XIX), que produziu os relatos mais significativos sobre as populações indígenas do Estado, fonte inesgotável de inspiração e conhecimento sobre o passado local e o período Descritivo-Classificatório (século XX), onde foram registrados e descritos os principais sítios arqueológicos observados em distintas regiões do Maranhão. Além disso, caracterizou-se como um momento singular da história da arqueologia maranhense, pelo caráter pioneiro de alguns pesquisadores em abordar temas atuais, como a proteção e preservação do patrimônio arqueológico para as gerações futuras, socialização do conhecimento e ensino e pesquisa.

 

Abstract: This article discusses the history of archeology and the role the pioneers of Maranhão in the construction of knowledge about the past. To this end, two moments that will be addressed characterized the trajectory of the discipline: Description Period (XVII – XIX), which produced the most significant reports on indigenous peoples of the state, inexhaustible source of inspiration and knowledge about the local past and period Description -Qualifier (XX), which were recorded and described the main archaeological sites observed in different regions of Maranhão. Moreover, it was characterized as a singular moment in the history of archeology of Maranhão because the pioneer character of some researchers to address current issues such as the protection and preservation of archaeological heritage for future generations, knowledge socialization and education and research.


Palavras-chave


Arqueologia, História, Maranhão

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, A. M. Ocupações humanas pré-coloniais na Ilha de São Luís – MA: inserção dos sítios arqueológicos na paisagem, cronologia e cultura material cerâmica. Tese de Doutorado. 2013. Tese. Programa de Pós-graduação em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2013.

BARROS, E. M. M. Imperatriz: memória e registro. Imperatriz – MA: Ética, 1996.

CARVALHO, J. B. de. Nota sobre a arqueologia da Ilha de São Luís. Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão. v. VII, n. 6, p. 7-8. São Luís, 1956, 146 p.

CORRÊA, M. Traficantes do excêntrico – os antropólogos no Brasil dos anos 30 aos anos 60. Disponível em . Acesso em: 23 de julho de 2012.

D’ABBEVILLE, Claude. História da missão dos padres capuchinhos na Ilha do Maranhão e circunvizinhanças. São Paulo: Siciliano, 2002.

D’ÉVREUX, Yves de. Viagem ao norte do Brasil feita nos anos de 1613 a 1614.São Paulo: Siciliano, 2002.

DUNNELL, Robert C. Methodological Issues in Contemporary Americanist Archaeology. In Proceedings of the Biennial Meeting of the Philosophy of Science Association. EUA: Symposia and Invited Papers, v. 2, p. 717-744, 1984.

FRANKLIN, A. Breve história de Imperatriz. Imperatriz, MA: Ética, 2005.

FRANKLIN, A. & CARVALHO, J. R. F. Francisco de Paula Ribeiro: desbravador dos sertões de Pastos Bons: a base geográfica e humana do sul do Maranhão. Imperatriz - MA: Ética, 2007.

FERNANDES, J. S. Os sambaquis do Nordeste. Revista de Geografia e História, Ano 3, São Luís, 1950.

FERREIRA, L. M. Vestígios de Civilização: o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e a construção da Arqueologia Imperial (1838-1870). Revista de História Regional. Ponta Grossa: Universidade Federal de Ponta Grossa, v. 16, n. 2, 1999.

FIALHO, O. Casa de Pedra. Revista do Instituto Histórico e geográfico do Maranhão. São Luís, ano VII, n. 6, p. 47-51, 1956.

FUNARI, P.P.A. Brazilian archaeology: a reappraisal. In POLITIS, G.G.; ALBERTI, B. (eds.) Archaeology in Latin American. Nova York: Routledge, p. 17-37, 1999.

LAGO, A. B. P. Itinerário da Província do Maranhão. São Paulo: Siciliano, 2001a.

Estatística histórico-geográfica da Província do Maranhão. São Paulo: Siciliano, 2001b.

LOPES, R. O torrão maranhense. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio, 1916.

A Civilização lacustre no Brasil no Boletim do Museu Nacional. v. 1, n 2. jan. 1924.

Entre a Amazônia e o sertão. Boletim do Museu Nacional. Rio de Janeiro, n. 7 v.3 p. 59-60, 1931.

A natureza e os monumentos culturais. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n.1, Rio de Janeiro: MEC, 1937, p. 77-106, 204 p.

Uma região tropical. Rio de Janeiro: Fon-Fon e Seleta, 1970.

Antropogeografia. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1956. (Edição fac-similar comemorativa ao centenário de fundação da Academia Maranhense de Letras, São Luis: AML, 2007).

LOPES DA CUNHA, A. Um achado archeologico. Geographia e História. Revista Trimestral do Instituto de História e Geographia do Maranhão. Ano I, n. 1, 1926, p. 77. São Luís, 1926, 98 p.

As collecções do Instituto. Geographia e História. Revista Trimestral do Instituto de História e Geographia do Maranhão. Ano I, n. 1, 1926, p. 77. São Luís, 1926, 98 p.

Proteção à natureza e aos monumentos. Geografia e História. Revista do Instituto de Histórico e Geográfico do Maranhão. Ano II, n. 1, p. 157. São Luís, 1948a, 160 p.

Seções Magnas de 1948. Geografia e História. Revista do Instituto de Histórico e Geográfico do Maranhão. Ano II, n. 1, 1948, p. 151. São Luís, 1948b, 160 p.

O Museu do Instituto. Geografia e História. Revista do Instituto de Histórico e Geográfico do Maranhão. Ano II, n. 1, p. 158. São Luís, 1948c, 160 p.

Instituto histórico. In: Estudos diversos. São Luís: SIOGE, 1973.

Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão. 3. ed. rev. e ampl. São Luís: Edições AML, 2008. Notas em MARQUES, C. A. MARQUES, C. A. Dicionário Histórico-Geográfico da Província do Maranhão. 3. ed. rev. e ampl São Luís: Edições AML, 2008.

MENDONÇA DE SOUZA, A. A. C. História da arqueologia brasileira. Pesquisas. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas, v. 46, 1991.

NIMUENDAJU, C. Cartas do Sertão de Curt Nimuendaju para Carlos Estevão de Oliveira. Apresentação e notas: HARTMANN, Lisboa: Assírio & Alvim, 2000.

NOBERTO, A. (Org.). França Equinocial: uma história de 400 anos em textos, imagens, transcrições e comentários. São Luís: Projeto Gráfico Editora, 2012.

PROUS, A. Arqueologia Brasileira. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1992.

SAMPAIO, T. Conchaes em Tutoya-Maranhão. Boletim do Museu Nacional. Rio de Janeiro, v. VII, n. 1, 1931.

SIMÕES, M. F. Coletores-pescadores ceramistas do litoral do Salgado. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi – Nova Série, Belém, n. 78, 1981a.

SOUZA, A.M. Dicionário de arqueologia. Rio de Janeiro: ADESA, 1997.

TORRES, H. A. Contribuição para o estudo da proteção ao material arqueológico e etnográfico no Brasil. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 1, MEC: Rio de Janeiro, 1937, p. 77-106, 204 p.

TRIGGER, B. G. História do Pensamento Arqueológico. São Paulo: Odysseus Editora, 2004.

VARNHAGEN, F. A. História Geral do Brasil: antes de sua separação e independência de Portugal. Tomos 1 e 2. São Paulo: Melhoramentos, 1978.

VAZ, L. G. D. “Um achado archeologico” – O IHGM e a pesquisa arqueológica no Maranhão. In: Caderno de resumos do Seminário Nacional Arqueologia e Sociedade: construindo diálogos e parcerias para a preservação do patrimônio arqueológico do Maranhão. IPHAN. São Luís, 2011.

WILLEY, G. R.; SABLOFF, J. A. A history of American Archaeology. Nova York: W. H. Freeman, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.15210/lepaarq.v10i19.2125

 
Contador de visitas