A constituição humana na linguagem: um olhar para o homem e sua relação com os esquemas culturais

Palavras-chave: Esquemas culturais, Significância, Historicidade

Resumo

Este artigo se ocupa da noção de esquemas culturais mobilizados pela língua no seio da vida social. Tem por objetivo discutir, a partir dessa noção, a realização da propriedade de significância da língua em sua relação com o homem na sociedade. Para tanto, baseia-se na tríade homem-linguagem-cultura, a partir da qual se constitui a natureza antropológica da linguagem. O homem inventa e compreende símbolos de tal forma que se estabelece um elo entre viver e significar. Assim, a língua no discurso revela o uso particular que os homens fazem da língua a partir de determinados direcionamentos, os quais definem, em parte, os modos de enunciar. Isso é possível porque a vida social e cultural se imprime na língua a partir dos esquemas vivenciados no deslocamento do homem em sua vivência marcada pela linguagem, os quais constituem a historicidade humana na linguagem. 

Biografia do Autor

Marlete Sandra Diedrich, Universidade de Passo Fundo
Professora de Língua Portuguesa e Linguística do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo, da Linha de Pesquisa Constituição e Interpretação do Texto e do Discurso.

Referências

BENVENISTE, É. (1966). Problemas de Linguística Geral I. 5. ed. Campinas: Pontes Editores, 2005.

BENVENISTE, É. (1974). Problemas de Linguística Geral II. 2. ed. Campinas: Pontes Editores, 1989.

COUTO, M. Fronteiras do pensamento. 2013. Vídeo. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=SHAEgk6TvS. Acesso em: 14 de jan. 2019.

DESSONS, G. Émile Benveniste, l’invention du discours. Paris: Éditions in Press, 2006.

DESSONS, G. Le poème. Paris: Armand Colin, 2011.

DIEDRICH, M. S. Aquisição da linguagem: o aspecto vocal da enunciação na experiência da criança na linguagem. 147 f. Tese (Doutorado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande Do Sul, Porto Alegre, 2017.

DIEDRICH, M. S. A interpretância da língua em relação às funções inter-humanas do discurso na aquisição da linguagem via aspecto vocal da enunciação. DELTA. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 33, p. 497-517, 2017. https://doi.org/10.1590/0102-445012762971994565

FLORES, V. N. A voz como objeto de uma antropologia da enunciação. Working Papers em Linguística, v. 19, n. 2, p. 35-53, 2018. https://doi.org/10.5007/1984-8420.2018v19n2p35

KLAFKE, S. Experimentar(-se) (n)a consciência sobre si mesmo: a ideia da aventura humana na e pela linguagem. ReVEL, edição especial, n. 11, p. 133-146, 2016.

NEUMANN, D. Em busca de uma poética da voz. 2016. 173f. Tese (Doutorado em Letras) - Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

SILVA, C. L. da C.; OLIVEIRA, G. F. A apropriação de noções culturais pela criança: uma experiência de significação na língua-discurso. Cadernos do IL, Porto Alegre, n. 52, p. 402-420, 2016. https://doi.org/10.22456/2236-6385.67884

SILVA, C. L. da C. A conversão da língua em discurso: enunciar para significar. Antares: Letras e Humanidades, Caxias do Sul, v. 8, n. 15, p. 15-28, 2016.

Publicado
2020-08-19