Entre o letramento em games e a gamificação: as mecânicas em jogo

Palavras-chave: Educação, Linguística, Linguística Aplicada.

Resumo

A gamificação, entendida como o uso de mecânicas de jogo em ambientes de não jogo, se coloca, atualmente, como uma solução engajadora para a aprendizagem em diferentes disciplinas e níveis educacionais. Não obstante, ela surgiu como uma iniciativa mercadológica para envolver as pessoas em ciclos de consumo por meio de motivação e recompensas a partir das mecânicas de jogo. Inserida no contexto brasileiro, a transposição da gamificação de contextos culturais educacionais do Norte Global não contempla aspectos particulares locais. Nesse sentido, este texto objetiva debater a ausência ou a capacitação insuficiente em letramento em games por parte de professoras e de professores e, também, algumas questões, possivelmente éticas, da aplicação da gamificação na educação. Para tanto, estabelece-se uma relação entre os conceitos de gamificação e de letramento em games, principalmente a partir das considerações de Gee (2003), Bogost (2014) e Walz e Deterding (2014).

Biografia do Autor

Aline Conceição Job da Silva, Universidade de Caxias do Sul
Pesquisadora de Pós-Doutorado na Universidade de Caxias do Sul. Doutora em Teoria da Literatura com a tese "A Personagem em Videogames: Avatar/Persona: no limiar entre o sujeito, a identidade virtual e a ética derridiana". Desenvolve pesquisa sobre as narrativas de videogame e a ficcionalização do sujeito no meio simulado, em confluência com a ética derridiana das escolhas. Mestre em Teoria da Literatura pela PUCRS (2012), com a dissertação "O Videogame como Desejo de Simulação: Dois Gêneros de Jogos em Perspectiva". É também graduada em Letras - Licenciatura Dupla em Língua Inglesa e em Língua Portuguesa e Literaturas Correspondentes pela PUCRS (2009) com bolsa integral ProUni. Tem experiência nas áreas de Língua Portuguesa, com ênfase em ensino e consultoria, de Literatura, com ênfase em Teorias Contemporâneas, e na área de Game Studies, com ênfase em Narrativa, Identidade Virtual e Simulação do Sujeito, além de trabalhar com elementos de gamificação em outras áreas. Atua também como revisora e tradutora de textos ficcionais e científicos.

Referências

AUDI, Gustavo. Letramento em games: o aprendizado na utilização de novos meios. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 17, n. 3, p. 777-796, set./dez. 2014.

BOGOST, Ian. Why Gamification is Bullshit. In: WALZ, STEFFEN P.; DETERDING, SEBASTIAN. The Gameful World: approaches, issues, applications. Massachusetts: MIT Press, 2014.

BOLTER, Jay David; GRUSIN, Richard. Remediation: understanding new media. Cambridge: The MIT Press, 2000.

CAILLOIS, Roger. Los Juegos y Los Hombres: la máscara y el vértigo. México: Fondo de

Cultura Económica, 1986.

COOK, Daniel. Game Genre Lifecycle: part I. 2005 Disponível em: http://www.lostgarden.com/2005/05/game-genre-lifecycle-part-i.html. Acesso em: 15 mar. 2019.

CARRIÈRE, Jean-Claude; ECO, Umberto. Não contem com o fim do livro. Rio de janeiro: Record, 2010.

CRAWFORD, Chris. On Game Design. Indiana: New Riders, 2003.

FADEL, Luciane Maria; ULBRICHT, Vania Ribas; BATISTA, Claudia Regina; VANZIN, Tarcísio (org.). Gamificação na Educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014.

GEE, James Paul. What Video Games Have to Teach Us about Learning and Literacy. New York: Palgrave MacMillan, 2003.

HAMARI, Juho; KOIVISTO, Jonna; SARSA, Harri. Does gamification work? A literature review of empirical studies on gamification. In: Proceedings of 47th Hawaii International Conference on System Sciences. Washington, DC: IEEE Computer Society Press, 2014.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2000.

KAPP, Karl M.. The Gamification of Learning and Instruction: game-based methods and strategies for training and education. San Francisco, CA: Pfeiffer/ASTD, 2012.

MCGONIGAL, Jane. Reality Is Broken: why games make us better and how they can change the world. New York: Penguin, 2012.

NELSON, Theodor Holm. Literary Machines. Sausalito: Mindful Press, 1993.

NESTERIUK, Sérgio. Breve considerações acerca do videogame. In: XXVIII Intercom, Porto Alegre, 2004. Mimeografado.

O MERCADO Informal de Video Games no Brasil, 2017. (18 min 39 seg) Publicado pelo canal Cloth Map. Disponível em: https://youtu.be/MU29Wqg_BVo. Acesso em: 15 mar. 2019.

PGB. Pesquisa Game Brasil Insights 2018. 2018. Disponível em: https://materiais.pesquisagamebrasil.com.br/insights-2018. Acesso em: 15 mar. 2019.

RAMIREZ, Dennis; SQUIRE, Kurt. Gamification and Learning. In: WALZ, STEFFEN P.; DETERDING, SEBASTIAN. The Gameful World: approaches, issues, applications. Massachusetts: MIT Press, 2014. p. 629-652.

REY, PJ. Gamification and Post-Fordist Capitalism. In: WALZ, STEFFEN P.; DETERDING, SEBASTIAN. The Gameful World: approaches, issues, applications. Massachusetts: MIT Press, 2014. p. 277-295.

ROBERTSON, Margaret. Can’t play, won’t play. In: Hide & Seek, 2010. Disponível em: http://hideandseek.net/2010/10/06/cant-play-wont-play/. Acesso em: 13 maio 2019.

SANTAELLA, Lucia. NESTERIUK, Sérgio. FAVA, Fabricio (ed.). Gamificação em Debate. São Paulo: Blucher, 2018.

SHAW, Adrienne. (2010). What Is Video Game Culture? Cultural Studies and Game Studies. Games and Culture, v. 5, n. 4, p. 403–424. 2010.

DESIGN Outside the Box. Publicado por Yunjia Li, 16 fev. 2015. (28 min 18 seg). Palestra de Jesse Schell. 2010. Disponível em: https://youtu.be/nG_PbHVW5cQ. Acesso em: 12 mar. 2019.

WALZ, Steffen P. Welcome to my playce. 2006. Disponível em: http://spw.playbe.com. Acesso em: 15 mar. 2019.

WALZ, Steffen P.; DETERDING, Sebastian. An introduction do the gameful world. In: WALZ, STEFFEN P.; DETERDING, SEBASTIAN. The Gameful World: approaches, issues, applications. Massachusetts: MIT Press, 2014. p. 1-14.

WOLF, Gary Isaac. Quantified self. In: Aether, 2009. Disponível em: http://web.archive.org/web/20091106094426/http://aether.com/quantifiedself. Acesso em: 22 mar. 2019.

Publicado
2019-12-23
Como Citar
Silva, A. C. J. da. (2019). Entre o letramento em games e a gamificação: as mecânicas em jogo. Revista Linguagem & Ensino, 22(4), 1221-1235. https://doi.org/10.15210/rle.v22i4.16462
Seção
Artigos