Língua portuguesa para refugiados e migrantes: quem ensina aprende e quem aprende ensina

Palavras-chave: Português como língua adicional, Identidade, Extensão universitária, Formação de professores.

Resumo

A linguagem é um dos principais instrumentos de mediação nos processos de apropriação da cultura e a palavra, polissêmica e dialógica, de acordo com Bakhtin (1999; 2003), traz marcas socioculturais e históricas que se fazem presentes no desenvolvimento psíquico, motor e emocional dos sujeitos. A língua é, pois, fator determinante para a inserção social e sinônimo de identidade. Nesse sentido, este estudo pretende discutir, a partir de vivências de acadêmicos de licenciatura em Letras em um projeto de extensão universitária, mais especificamente, nas oficinas de Língua Portuguesa para migrantes e refugiados, a importância da língua como acolhimento e na construção da identidade, além das contribuições à formação docente.

Biografia do Autor

Lovani Volmer, UNIVERSIDADE FEEVALE
Possui graduação em Letras - Português/Alemão pela Unisinos (1994), é especialista em Informática Educativa pela Feevale (2001), mestre em Letras, ênfase em Leitura e Cognição, pela UNISC (2008), e doutora em Letras, ênfase em Leitura e Linguagens, pela UCS/Uniritter (2015). É professora na Universidade Feevale, onde já foi coordenadora do curso de Letras e diretora pedagógica da Escola de Educação Básica Feevale - Escola de Aplicação - atualmente atua nos cursos de graduação em Letras e Pedagogia, nos projetos de extensão "O mundo em NH: refugiados e migrantes, uma questão de Direitos Humanos" e "Jovem Aprendiz Feevale", bem como no Mestrado Profissional em Letras. Possui longa experiência na educação básica, tanto na docência quanto na gestão, e pesquisa especialmente os seguintes temas: letramento e alfabetização; leitura e alfabetização; leitura e formação do leitor; leitura do texto literário no contexto escolar; PNBE; formação de professores.

Referências

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: HUCITEC, 1999.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. Trad. P. Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO/MEC. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP 2, de 1º de julho de 2015. Define as diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial em nível superior e formação continuada. Brasília. DOU, 2 jul. 2015.

CHAUÍ, M. A linguagem. In: CHAUÍ, M. Convite à filosofia. 13 ed. São Paulo: Ática, 2006. p. 136-151.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

SANTOS, Camille Anjos de Oliveira; SILVA, Carla Cristie de França; OLIVEIRA, Ana Beatriz Cunha Maia de. Formação de professores: o desafio da prática. Formação de professores: contextos, sentidos e práticas, 2015. p. 1-13. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/23961_13445.pdf. Acesso em: 13 jun. 2020.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

Publicado
2021-03-29
Como Citar
Volmer, L., da Ros, P., & Martins, R. L. (2021). Língua portuguesa para refugiados e migrantes: quem ensina aprende e quem aprende ensina. Revista Linguagem & Ensino, 24(2), 226-241. https://doi.org/10.15210/rle.v24i2.19347